O que você está procurando hoje?

BaaS: nem banco, nem fintech.

Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Apple Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Spotify
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Google Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Castbox
Educando Seu Bolso
Educando Seu Bolso
BaaS: nem banco, nem fintech.







/

Nunca ouviu falar de BaaS? Então vamos lá!

Manja a carteira digital daquele app de delivery? A conta com rendimento automático daquele aplicativo de transporte? O cartão de crédito daquele supermercado ou loja de departamento? O desconto para pagar com cartão virtual do próprio ecommerce? O cashback que a loja virtual só credita na conta que você abriu lá? Uma concessionária de energia elétrica que te permite pagar a conta de luz sem ter que acessar o site do seu banco? Então, tudo isso e muito mais está ou poderia estar sendo feito através do BaaS ou Banking as a Service.

Pra contextualizar, na 1a geração estão os bancões tradicionais que tem agências, gerentes, e ainda cobram tarifas por diversos serviços. Há 10 anos começou a 2a. geração, com os neobancos, ou bancos digitais. Sem gerentes nem agências eles repassam essa economia aos clientes através de isenções, gratuidades e melhores taxas.

Agradecemos a evolução, mas ainda tem muito o que melhorar. Por exemplo, é enorme a quantidade de brasileiros que ainda não possuem contas corrente ou de pagamento. Milhões não conseguem um cartão de crédito e a maioria dos que consegue não tem o limite de crédito que precisa. Ainda se cobra tarifa por muita coisa que deveria ser gratuita e as taxas de juros de empréstimos e financiamentos ainda é bastante alta. Ou seja, o Banco 2.0 melhorou o 1.0, mas o 3.0 bem que podia ajudar ainda mais.

Então, justamente para falar sobre BaaS, convidamos Gustavo Siuves, diretor de negócios e de marketing do Bankly, do grupo Meliuz.

Nossa conversa está disponível em todos os players acima e no nosso canal do YouTube. Mas, se você é do time dos leitores e quer entender a proposta do Bankly continue a leitura!

 

 

Banking as a service (BaaS): entendendo o conceito

Primeiramente, Banking as a service é o nome dado a um tipo de tecnologia que permite que empresas ofereçam serviços financeiros próprios que sejam totalmente adaptados para o seu público.

Ou seja, é por meio do BaaS que empresas conseguem oferecer cartões para seus clientes, automatizar pagamentos para fornecedores e tudo isso com a própria marca da empresa que contratou o BaaS. Afinal, quem nunca entrou na Riachuelo para fazer uma compra e te oferecem um cartão da loja? 

É através do BaaS que empresas deixam de ser totalmente dependentes de grandes bancos, já que elas se tornam seu próprio banco! Então se você, dono (a) de uma empresa, deseja oferecer soluções financeiras específicas para a sua clientela, como uma conta digital ou um cartão da sua marca, o BaaS pode ser a solução! 

 

Como o BaaS funciona

O BaaS, como é o caso do Bankly, funciona disponibilizando APIs que permitem que você disponibilize serviços financeiros para que você use no seu sistema.

Mas afinal, o que são APIs? 

API quer dizer Application Programming Interface (Interface de Programação de Aplicação), e são ferramentas que permitem a comunicação de dois softwares diferentes. Por exemplo, para que seu celular mostre atualizações sobre economia ele precisa “conversar” com institutos que liberam essa informação. Essa conversa é feita por meio de APIs.

Então, o que o Bankly faz é permitir que você tenha acesso a diferentes APIs que tornam possível que sua empresa ofereça serviços financeiros. Em outras palavras, eles desenvolvem códigos para que sua empresa consiga, com segurança, realizar transações financeiras. 

Um exemplo prático de como as APIs funcionam 

Para esclarecer como as APIs funcionam, os exemplos nunca são demais né?! Então imagine que a empresa 123 Milhas faz o uso de um API da Mastercard

Isso significa que a empresa pode emitir cartões de crédito virtuais de bandeira Mastercard para usarem no pagamento das passagens compradas pelo site. Ou seja, há uma facilitação no processo de compra e, consequentemente, uma vantagem pro cliente da 123 Milhas

Também, se sua empresa utiliza um API de Pix ou Boletos, você conseguirá permitir que seus clientes te paguem, via aplicativo, por exemplo. 

 

Exemplos de como o BaaS funciona na prática   

O caso do Carrefour 

Se você já foi ao Carrefour, é possível que, quando você foi pagar suas compras, o operador do caixa tenha te perguntado coisas como “você tem o cartão Carrefour” ou “com o cartão carrefour você ganha 5% de desconto nessa compra, o que acha de fazê-lo?”. 

O fato do Carrefour oferecer um cartão próprio só é possível porque eles foram reconhecidos, perante o banco central, como uma instituição financeira. Para isso, eles resolveram toda a burocracia, organizaram a contabilidade e providenciaram todos os documentos para conseguir esse reconhecimento!

Mas, se o Carrefour optasse por não despender todo o tempo e esforço para resolver a burocracia e conseguir a autorização do BC, eles poderiam recorrer a uma empresa de BaaS. Foi isso que a gigante norte americana, Walmart, fez. 

Girabank e 123 Milhas: duas plataformas que utilizam o BaaS da Bankly 

Baas: algumas empresas que o Bankly atua

Empresas que contam com o serviços da BaaS Bankly

Agora, pensando em plataformas que realmente utilizam o BaaS como instrumento para disponibilizarem serviços financeiros, podemos pensar na 123 Milhas e no Girabank, o banco digital do influenciador Carlinhos Maia. 

No da 123 Milhas, o BaaS foi útil para permitir que usuários da empresa conseguissem pagar as passagens usando um cartão virtual. Já para o Girabank, com a contratação do BaaS da Bankly, Carlinhos Maia conseguiu criar esse banco digital que tem como funcionalidades principais: 

 

Mas e para o cliente, o que muda com o BaaS?

Do lado do cliente, para ele migrar para o mundo BaaS, é preciso haver ganhos que geralmente estão associados a: 

  1. Melhoria da experiência do cliente com a empresa; ou
  2. Possibilidade de ter acesso a produtos e serviços financeiros de qualidade; 

A melhora da experiência do cliente com a empresa que tem BaaS 

Quando uma empresa oferece um BaaS ela pode disponibilizar diversas vantagens diretas para o cliente, como descontos progressivos e uma conta digital. Assim, fica claro que o usuário do seu serviço também ganha com essa modernização. 

Um exemplo claro disso é a 99 Pay, a carteira digital da 99 Pop. Com ela você consegue descontos em viagens, além de conseguir que o dinheiro na carteira digital passe a render!

Os motoristas de aplicativo que trabalham com carros alugados também tem descontados diretamente de suas tarifas. O crédito das corridas e o desconto proporcional das parcelas do aluguel do veículo são feitos diretamente na conta 99.

BaaS e produtos e serviços financeiros de qualidade 

Por outro lado, quando pensamos na proposta do Baas, a ideia é que a empresa que adota essa ferramenta seja capaz de oferecer uma boa experiência com serviços e produtos financeiros ao cliente. 

Afinal, uma empresa que conta com o BaaS está fazendo um investimento para que seus clientes sejam atendidos financeiramente com base em suas próprias demandas, o que poderia resolver, ou mitigar, questões como: 

  • Clientes que não tem um banco (que são desbancarizados);
  • Falta de atendimento financeiro de qualidade;
  • Pagamento de tarifas caras e/ou desnecessárias;
  • Rendimento baixo ou inexistente do dinheiro investido;
  • Clientes que tem conta mas não conseguem cartão de crédito;
  • Cartões com limites de crédito insuficientes;
  • Taxas de juros altas nos empréstimos ou financiamentos;
  • Falta de oferta de crédito em função de negativação ou pequenas restrições; etc.

 

Bankly o que é? 

Adquirido pela Méliuz , o Bankly é um BaaS que busca simplificar que empresas não financeiras criem serviços financeiros próprios. A premissa é que ela vai conseguir atender melhor do que os bancos as demandas dos seus próprios clientes

Isto é, o Bankly é uma ferramenta de serviços financeiros que, por meio da tecnologia, oferta soluções para nichos distintos.  

Qual público alvo do Bankly? 

Bem, o público alvo no Bankly, como vocês já devem ter notado, são empresas! Mas, também não é qualquer empresa, né?! 

O que nosso convidado nos contou é que o Bankly é voltado para empresas que queiram automatizar seus serviços e que tenham, pelo menos, uma dessas duas características: 

  1. Grande número de clientes/usuários; 
  2. Um bom ticket médio (ticket é a quantia que cada cliente gasta no seu negócio, então bom ticket seria quando cada cliente gasta bastante dinheiro no seu empreendimento); 

Quais serviços o Bankly oferece? 

São vários os serviços oferecidos pelo Bankly, por meio de mais de 30 APIs  financeiras diferentes, dentre eles estão: 

  • Emissão de cartão internacional da bandeira Mastercard (cartões de crédito pré e pós pago);
  • Cartão de crédito virtual; 
  • Pagamento de contas;
  • Ambiente de testes dos serviços antes deles serem lançados;
  • Armazenamento de dados interno;
  • Ferramentas antifraudes;  
  • Compra de produtos em grande quantidade de forma automática
  • Payroll (folha de pagamentos);
  • Pix e pagamentos de boletos; 
  • Gerenciamento da conta digital
  • Investimentos
  • Transações por criptomoedas
  • Abertura de contas para PJ;

Então, Bankly é um concorrente do Inter ou do Nubank

Não! Diferentemente do Inter e do Nubank, que são bancos digitais, o Bankly  uma empresa de tecnologia com licença bancária e não um banco. Para ficar mais claro, você que tem uma empresa, não conseguiria oferecer um cartão do inter para cada um dos seus clientes, mas poderia fazê-lo através do Bankly, entendeu?

 

Como o BaaS permitiria minha empresa aumentar seus lucros? 

Pensando não só no Bankly, mas nos BaaS de uma forma geral, existem algumas maneiras que essa ferramenta tecnológica pode te ajudar a lucrar mais, sendo interessante pensarmos sobre duas delas: 

  • Aproximação com seu mercado consumidor; 
  • Redução de custos com operações bancárias; 

BaaS e a aproximação com sua rede de clientes 

Primeiramente, um BaaS pode te ajudar a se aproximar da sua rede de clientes através da fidelização. Por exemplo, se vários dos seus clientes fazem um cartão de crédito do seu negócio, porque eles teriam desconto nos produtos, a probabilidade de que aquela pessoa passe a ser um usuário recorrente do seu produto aumenta. 

Veja, o cliente tem benefícios porque consegue descontos e outras vantagens que a empresa pode optar por oferecer, e você que tem a empresa também se beneficia por conseguir uma quantia mais estável de clientes. 

A redução do custo das operações bancárias com o BaaS

Já a redução dos custos com transações financeiras acaba sendo mais expressiva quando pensamos em empresas que têm que realizar um grande número de pagamentos por dia. Afinal, essa companhia acaba pagando várias taxas, como para a realização das TEDs. Com um Baas essas tarifas se reduzirão a centavos dentro do Sistema de Pagamentos Brasileiro do Bacen. Ou seja, sua empresa passa a pagar o mesmo preço que o Itaú ou o Bradesco pagam ao Banco Central.

Também, ao usarem seus cartões de crédito de bancos como forma de pagamento, o emissor fica sempre com uma beirada. Por que deixar o Bradesco ou Itaú com essa porcentagem, quando sua própria empresa pode emitir o cartão e por no bolso mais essa receita?

 

O BaaS pode conseguir desbancar os bancos tradicionais? E os digitais? 

Pensando no cenário brasileiro, é explícito o poder que os bancos tradicionais, os famosos “bancões”, exercem, tanto dentro da economia, quanto nos lares brasileiros… Afinal, iniciativas como a do Santander, Itaú e Banco do Brasil foram, por muito tempo, as únicas alternativas disponíveis no mercado. 

Porém, com a modernização vieram os bancos digitais, como o Inter, Nubank, Original e Banco Pan.  Assim, ao contrário do que se poderia pensar, os bancos tradicionais não foram desbancados pela novidade, mas sim tiveram que se reinventar e adaptar às novas demandas. 

E com o BaaS é provável que o mesmo aconteça. Afinal, o Baas ganha espaço justamente porque ele tem um diferencial: ele torna visível demandas que eram invisibilizadas. 

Por exemplo, antes não se pensava que gamers poderiam precisar de uma plataforma específica para realizar pagamentos e comprar jogos de maneira automática. Isto é, não se discutia sobre como resolver problemas específicos de grupos específicos. 

 

Por que os bancos de tribo são a nova tendência? 

Assim, você já pensou no porquê atender demandas financeiras de grupos específicos é uma tendência?

Conforme o trazido pelo nosso convidado, a criação desses serviços financeiros para cada demanda, os chamados bancos de tribo, foi a solução idealizada para atender grupos que não se viam representados com as ferramentas disponibilizadas nos bancões. 

E é por esta razão que plataformas de Poker e Agências de Viagens, por exemplo, vem apostando no BaaS. Veja, são públicos específicos, com suas próprias características e demandas, fazendo com que seja lógico pensar em uma solução financeira também personalizada. 

O banco próprio do seu time do coração, a nova aposta do mercado financeiro?  

Pensando nos bancos de tribo, que são bancos que pretendem atender nichos específicos do mercado, será que bancos de times de futebol serão a nova aposta do mercado financeiro?

Esse é um território completamente novo, mas, pense, faria sentido se a resposta fosse sim! Ora, facilitar a compra de ingressos, oferecer um cartão próprio do time, isso tudo combina totalmente com a lógica do “sócio torcedor”. 

 

Por fim, o BaaS realmente permite que qualquer um tenha seu próprio banco? 

Em suma, o Bankly possui mecanismos que permitem que algumas empresas se tornem seus próprios bancos. Porém, não é bem como nosso convidado falou no sentido de que eles teriam a tendência de permitir que qualquer pessoa ou empresa consiga criar seu banco. 

Afinal, se você tem um negócio pequeno, muito provavelmente se você contratar um BaaS o que vai acontecer é que sua empresa vai perder dinheiro. Ou seja, não é qualquer empresa que possui a capacidade de arcar com um BaaS. 

Também, não é para qualquer empresa que faz sentido pensar em um serviço de Banking as a Service. Como trazido antes, vale a pena considerar a adoção de um BaaS caso você tenha um número grande de clientes e/ou cada cliente gaste muito no seu serviço! 

E aí, ficou alguma dúvida? Deixa seu comentário aqui para a gente!

Então, se você chegou até aqui e quer ficar por dentro da economia conheça nossos cursos de educação financeira!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *