Cartão Americanas, Marisa, de lojas em geral: Valem a pena?

Assine nosso Podcast no

CastBox - Download no Google Play

Na semana passada conversamos com o Pedro Vieira, da Rádio Inconfidência, e ele relatou uma situação muito recorrente em lojas de varejo. Estava ele, fazendo compras nas Lojas Americanas, quando foi abordado por uma vendedora que disse: “Quer fazer um cartão Americanas? Você tem 5% de desconto, na hora!”.

Quem nunca recebeu uma proposta como essa ao fazer compras? E quem nunca se sentiu tentado a aceitá-la?

Essa é uma situação extremamente comum nas lojas como Marisa, Renner, Americanas ou supermercados como Carrefour, Atacadão, etc… Foi sobre isso que nós conversamos durante o programa. Vale a pena fazer um Cartão Americanas ou um Cartão Carrefour? Neste post vamos mostrar que pode até parecer um bom negócio à primeira vista. Mas podem existir outros custos envolvidos, que podem prejudicar a sua vida financeira.

Entenda quais armadilhas podem estar escondidas por trás de uma simples pergunta, feita por um vendedor simpático.

Por que as lojas oferecem esses cartões?

Muitas lojas de departamento ou supermercados não têm alcançado os resultados esperados com a venda de seus produtos. Logo, elas têm buscado compensar essa “época de vacas magras” através dos cartões de crédito da loja, também conhecidos como private label.

Eles precisam de ter bandeira, como Visa ou Mastercard por exemplo?

Os cartões de loja podem ou não ter Bandeira. Sem bandeira, eles só podem ser usados dentro do próprio estabelecimento. Lojas menores costumam utilizar esse tipo de arranjo. Uma cadeia de farmácias, por exemplo, pode oferecer um cartão que só poderá ser usado dentro de suas lojas. Isso é uma maneira que o empresário tem de financiar seus clientes.

Há também os cartões bandeirados, que são aqueles que possuem alguma bandeira (Visa, Master, Elo…). As Lojas Atacadão por exemplo oferecem o seu cartão de crédito, chamado cartão atacadão, que vem com a bandeira MasterCard. Este caso se aproxima mais do cartão de crédito tradicional, como um cartão do Bradesco ou do Banco do Brasil, por exemplo.  É o caso também do cartão Americanas, cartão Marisa, cartão Riachuelo, que são redes maiores. Estes podem ser usados em outros estabelecimentos, para ir na padaria, pagar um almoço ou qualquer outro gasto rotineiro. Além disso, é possível realizar saques em dinheiro. Mas é sempre importante lembrar que todos esses serviços a mais podem envolver taxas.

Perigos do cartão Americanas, Marisa, Carrefour, Atacadão, etc…

Além dos juros, que são altíssimos, ter cartões de créditos em excesso prejudica o controle financeiro. O acúmulo de limites pode se transformar em uma bola de dívidas e ao final do mês, como não temos um acúmulo de salários, o orçamento acaba fechando no vermelho.

Outro ponto é que esses diversos cartões podem ter custos de anuidades. Por exemplo, ao fazer um seguro do meu carro, eu fiz também o cartão da seguradora, para ganhar um desconto que eu considerei vantajoso. Passado um ano, eles começariam a me cobrar anuidade. Então eu tive que ligar para cancelar esse cartão. Porque, para mim basta o cartão que eu tenho. Concentro os meus gastos ali e não vou incorrer nesse custo adicional. 

Essa oferta feita pelas lojas é muito comum e às vezes o desconto oferecido pode ser tentador. 5% a 10% em uma compra grande pode ser um bom desconto e pode acabar te levando a fazer o cartão. No entanto, o que as lojas querem com isso é jogar o jogo dos bancos. Elas passam a ganhar também quando você atrasa o pagamento, assim podem te cobrar juros.

Essas lojas também oferecem cartão para negativados?

Sim. Geralmente a pesquisa feita pelas lojas antes de oferecer o cartão é um pouco mais fraca do que a que é feita pelos bancos. Ou seja, os negativados tem mais chance aqui do que na maioria dos bancos ou financeiras. Isso porque, o interesse da loja é que o cliente tenha uma relação de fidelidade com a loja e isso se dá através desse cartão.

Esse interesse casa com o cenário atual vivido por muitos brasileiros, que estão endividados e com dificuldade de controlar as finanças. Dessa maneira, não se consegue mais cartões nos bancos com tanta facilidade. Ou mesmo, se se consegue o cartão, os limites de crédito não são mais os oferecidos há alguns anos atrás. O que as lojas fazem então é preencher essa lacuna. Se a pessoa não consegue um cartão no banco e precisa fazer compras, ela acaba recorrendo a cartão Americanas, cartão Marisa, cartão C&A, dentre outros, que são mais fáceis de conseguir.

Além disso, vale ressaltar que  geralmente esses cartões são oferecidos para as classes média e baixa: C, D e E. Faixa onde as pessoas têm mais dificuldade em obter cartões nos bancos. Assim, o cartão Americanas, cartão Marisa ou de qualquer outra loja, se apresentam como uma alternativa de crédito. Dessa maneira, elas acabam contratando esses cartões e pagando taxas e juros maiores.

Portanto, se por um lado essas lojas sofrem com uma atividade mais morna no varejo, por outro elas complementam o lucro atendendo a uma demanda por cartões de crédito, que o público não consegue satisfazer junto aos bancos.

O cartão da loja e a fidelização do cliente

Carregar o cartão Americanas, Marisa, Renner… na carteira e usá-lo todo dia para pagar contas rotineiras significa olhar para aquela marca o tempo todo. Isso cria uma fidelidade entre o cliente e a loja.  Há estudos que comprovam que o cliente retorna mais à loja quando possui o cartão. Portanto, as lojas utilizam um critério mais frouxo na hora de selecionar para quem elas dão esses cartões.

cartão americanas

Estratégias para fazer o cliente gastar mais na hora de pagar a fatura

Mesmo com todas as facilidades de pagamento pela internet, aplicativo ou depósito bancário, que economizam nosso precioso tempo, muitas lojas ainda exigem que o cliente retorne para fazer o pagamento do crediário.

Ao fazer isso, a intenção das lojas é chamar o cliente de volta, para que ele possa navegar pelos produtos e ser seduzido por eles. Um exemplo que pode ser percebido na própria estrutura das lojas são divisórias com produtos na fila do caixa. Enquanto o cliente espera para pagar o crediário ele tem contato com diversas mercadorias que podem chamar a atenção. De modo, que fique fácil incluir um item a mais nas compras.

A aposta das lojas é no consumo por impulso. O brasileiro é muito propenso a ceder a esse tipo de estímulo. A mesma estratégia é utilizada pelos de postos de gasolina, onde o cliente tem que pagar dentro da loja.

Proponho aqui um desafio desafio para o nosso leitor: colocar na ponta do lápis todos os gastos supérfluos realizados por impulso durante o mês. Você pode se surpreender com o impacto que isso tem no seu orçamento

Os custos do rotativo do cartão: vale a pena correr o risco de pagar juros tão altos?

O custo do rotativo do cartão Americanas é de 357,03% ao ano. Na Marisa, esse valor é de 568%, na Renner, 526%, na Riachuelo, 382% e na C&A, 357%.

O Banco Central possui um ranking dos custos de cartão de crédito. Lojas como Pernambucanas, Dacasa e Renner persistem nas últimas posições. Além das altas taxas, vale lembrar que a anuidade também pode ser cobrada. Então se uma pessoa faz o cartão para obter desconto uma vez e esquece, depois ela só será lembrada quando vier uma cobrança de R$100,00 ou R$200,00 para pagar.

Uma opção para tentar reduzir essas taxas é ligar para a administradora e ameaçar cancelar o  cartão. Hoje é possível usar essas estratégia para negociar não apenas anuidade, mas também taxas de juros, taxa de maquininha de cartão e muitas outras coisas. Mas infelizmente esse é um processo que dá muito trabalho e o comodismo acaba fazendo com que a situação seja deixada como está.

Os depoimentos de Maria das Graças e Rosângela

A ouvinte Maria das Graças comentou durante o programa: “o que eu acho ruim nesses cartões de lojas são as taxas que vem nos boletos. Você compra aproveitando as promoções e durante os pagamentos mensais já acabou os descontos do início da compra. Já estou vacinada contra isso e não caio mais nessa.”

De fato há a possibilidade de cobrança de outras tarifas. Taxas de impressão do boleto, segunda via de cartão e de aumento de limite são alguns exemplos. Se a pessoa não controla as despesas e gasta um valor acima do limite do cartão durante o mês, as lojas aprovam a transação e depois cobram uma taxa.

Por exemplo, se o limite do cartão é de R$1.500,00 e você gastou R$2.000,00, as lojas ou bancos permitem que o gasto seja realizado, mas cobram uma taxa de R$50,00, R$100,00 por causa desses R$500,00 a mais que você gastou. Se chama taxa de aprovação de limite emergencial de crédito.

A ouvinte Rosângela também se atentou para as armadilhas desses cartões e comentou: “Eu tinha muitos cartões de loja cancelei todos, agora eu só tenho dois cartões de crédito. Eu acho que ter cartões de lojas é uma ilusão.”

Parabéns Rosângela e Maria das Graças pelo cuidado com as finanças de vocês. Esses testemunhos reforçam que quanto mais cartões você tem, mais complicada fica a gestão do seu orçamento.

Conclusão

O alerta final para o leitor é: cuidado com os cartões de loja (cartão Americanas, cartão Marisa, etc…)  porque pode ser uma armadilha. Muitas lojas estão agindo como bancos ou financeiras e isto contribui para desequilibrar o orçamento das pessoas.

Ao se deparar com um atendente te oferecendo o cartão da loja procure pensar:

  • O desconto vale a pena?
  • Eu frequento muito essa loja?
  • Tem algum custo adicional?
  • Qual é a taxa do rotativo? Caso haja algum imprevisto, ela cabe no meu orçamento?

Se você pensou bem e considerou que as condições são realmente vantajosas e o desconto beneficia o seu orçamento, tudo bem fazer o cartão.

Agora, se o desconto não é grande, se você não usa a loja com frequência ou se é propenso a fazer compras por impulso, a minha recomendação é: não caia nessa! Não faça o cartão!

Ouça o podcast e deixe seu depoimento aqui para a gente. Vamos fazer valer o nosso dinheiro e cuidar bem das nossas finanças!

4 comentários

  • Acabei de fazer um cartão dá Riachuelo, e ganhei 10 por cento de desconto na primeira compra… Mas no outro dia já recebi um SMS me “parabenizando” por contratar um seguro para o cartão… Que eu não contratei. É sempre assim, se não tem anuidade, tem sempre uma taxa ou uma cobrança disfarçada. Já cancelei o cartão que eu tinha da CeA por essas cobranças.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *