Qual o melhor investimento: LCI, LCA, CDB, Letra de Câmbio…?

Qual o melhor investimento: LCI, LCA, CDB, Letra de Câmbio…?

Tem coisas que acontecem com a gente que nos fazem acreditar em Deus: estava sem inspiração sobre o que escrever quando chega um conhecido e me conta que estava em dúvida sobre qual o melhor investimento para ele, pois tinha recebido um dinheiro extra e queria investir, mas a gama de opções que o gerente ofereceu era muito ampla e complexa.

Basicamente, posto que ele queria renda fixa, o gerente oferecia Poupança, Letra de Câmbio, CDB, LCI e LCA, mas não conseguia explicar (ou convencê-lo) do que seria o melhor investimento para o dinheiro recebido.

Você, que já nos acompanha há algum tempo, já sabe que não temos resposta para esta pergunta, não há receita de bolo, tampouco temos como taxar uma opção melhor que a outra. Mas vamos a algumas considerações que, pelo menos para este meu conhecido, foram bastante úteis para decidir em que investir.

Em primeiro lugar, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) assegura seu investimento até R$250.000,00 por CPF e por instituição. Ou seja, considerando que seu dinheiro renderá, sugiro investir até R$200.000,00 por instituição. Isto posto, não há muita diferença em termos de risco entre Caderneta de Poupança, LCI, LCA, CDB, RDB e Letras de Câmbio, Imobiliárias e Hipotecárias. Mas nem todos os investimentos são cobertos por esta garantia. Exemplo: fundos de investimento e debêntures incentivadas não contam com a garantia do FGC.

Em segundo, comparar investimentos com e sem incidência de Imposto de Renda. Alguns investimentos, como as LCI e Poupança, são isentos. Outros, como Letras de Câmbio e CDB, tem incidência conforme abaixo:

– investimentos por até 6 meses: 22,5% de imposto de renda (fator multiplicador 0,775)

– Investimentos por até 1 ano: 20% de imposto de renda (fator multiplicador 0,8)

– Investimentos por até 2 anos: 17,5% de imposto de renda (fator multiplicador 0,825)

– Investimentos por mais de 2 anos: 15% (fator multiplicador 0,85)

Em outras palavras, ao comparar um investimento com incidência de imposto de renda com outro sem incidência você deve multiplicar a taxa oferecida pelo fator multiplicador. Exemplo: um CDB que renda 120% do CDI e com vencimento em 3 anos equivale a uma LCI de 102% do CDI (120% x 0,85 = 102%). Note que, apesar da taxa nominal do CDB ser sensivelmente maior, ao retirar a parcela relativa ao imposto de renda, sua rentabilidade líquida é bastante reduzida. Ou seja, em mesmas condições, uma LCI que paga 105% do CDI é mais interessante do que um CDB que paga 120% do CDI, pois a rentabilidade da LCI já é líquida de imposto de renda.

Por fim, Caderneta de Poupança pode parecer mais segura e estável (o brasileiro médio tem esta percepção), porém é garantida pelo mesmo FGC que assegura, por exemplo, a LCI. Porém, enquanto a Caderneta de Poupança está pagando em torno de 8% ao ano, LCI, CDB, etc. estão rendendo (valores líquidos) até 15% ao ano (dependendo da instituição financeira e o valor investido). Quase o dobro. Seu dinheiro merece respeito. Escolha direitinho onde investir.

Até a próxima.

—-

Atualização: Se você quer modernizar e tornar mais rentáveis suas aplicações financeiras, recomendo que visite também o nosso comparador de investimentos em http://educandoseubolso.blog.br/compare-investimentos/

Autor

Daniel Meinberg
Autor do livro “O Melhor Investimento pra Você – Princípios de Educação Financeira”, editora AR, 2015, que trata de forma clara para o leigo sobre diversos produtos focados em investimentos. Ministrou palestras sobre educação financeira.

2 comments

  • Boa Noite! Adorei seu blog. Gostaria de uma ajuda! Financiei uma parte do meu apartamento, num total de R$77.864,38 (SAC) com prazo de 92 meses, taxa efetiva 7,8%a.a, CET de 9,41% a.a CESH 2,43% (este ultimo nao sei o que significa). Atualmente meu saldo é de R$63,215,00 e faltam 73 parcelas para eu pagar. Para manter estas condições na taxa de juros, preciso manter a conta na CAIXA e cartao de credito, ou seja, vamos supor que nesta brincadeira de 92 meses, eu gaste 3200,00 entre taxa de manutenção de conta corrente e anuidades de cartão de crédito. Tenho R$20mil aplicados desde fevereiro deste ano, numa CDB que paga 102% do CDI (portanto já tenho mais de 20mil, mas não entrei agora para consultar quanto já tenho de juros…) e para eu manter minha conta na operadora pago 8,90/mês. Enfim, este final do ano, vai me sobrar mais 10 mil reais. Gostaria de saber qual o seu melhor conselho. Se eu devo usar estes 10 mil amortizando o saldo do financiamento e reduzindo de 73 parcelas para 57, Se devo usar estes 10 mil para diminuir um pouco as parcelas e a diferença ir aplicando nesta CDB que citei acima, ou ainda não amortizar nada e aplicar tb esses 10 mil na mesma CDB dos 20mil, pagando o total das 92 prestações normalmente? Se tudo continuar do jeito que esta, imagino que final de 2016 consiga juntar pelo menos 10 mil tb…. FGTS não posso usar, pq tenho imóvel no meu nome por enqto…. Obrigada desde já.

    Responder
    • Ewerton Veloso

      Prezada Ana, obrigado pela sua mensagem. Vejo que você já andou pesquisando suas opções, e tem bastante noção dos custos reais do financiamento (manutenção de conta etc), parabéns por isso!

      O rendimento líquido do seu CDB está em torno de 11,5% ao ano. O custo total do seu financiamento, levando em conta os custos de manutenção da conta e estimando o valor do seguro, deve estar mais alto que isso (para saber com exatidão eu precisaria de mais informações, e de fazer cálculos mais complexos). Se for assim, não é vantajoso manter a aplicação e o financiamento.

      No seu lugar, eu amortizaria diminuindo o valor da prestação, e aplicaria mensalmente a diferença. Isso diminuiria o saldo devedor, que fica exposto à correção pela TR, e aumentaria a liquidez (a quantidade de dinheiro vivo e livre que eu teria).

      Essa opção é boa quando a pessoa tem a condição de poupar algum dinheiro, que a permitirá quitar o financiamento antes do prazo, o que parece ser o seu caso. Assim, ela fica menos tempo exposta também ao seguro e custos de manutenção da conta, que, ao que parece, é o que encarece seu financiamento.

      Mas, como eu disse, para saber isso com exatidão seriam necessários cálculos mais detalhados. Que te permitiriam, inclusive, montar um plano de amortizações e quitação dentro de alguns anos.

      Se tiver mais alguma dúvida, entre em contato. Abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *