Estamos tentando ficar ricos do jeito errado (parte 2)

Estamos tentando ficar ricos do jeito errado (parte 2)

No meu último artigo, argumentei que o brasileiro direciona mal o pouco tempo que gasta com suas finanças, dando mais importância à análise dos investimentos enquanto deveria prestar mais atenção ao gerenciamento de suas dívidas.

Usando dados do Banco Central e algumas aproximações, sugeri que os milhões e milhões de brasileiros que possuem financiamentos de maior valor (imobiliário e de veículos) têm patrimônio financeiro líquido negativo, pois suas aplicações financeiras em média tem valor inferior a suas dívidas. Por isto conclui que, pelo menos para estas pessoas, a melhor maneira de começar a ficar rico é gerenciar melhor suas dívidas, ou seja, pesquisar e comparar com o objetivo de conseguir o menor custo financeiro possível.

Como terminei o artigo perguntando se alguém tinha uma boa explicação para o que chamei de foco excessivo nas aplicações financeiras, algumas pessoas me responderam dizendo que gostaram da análise e que achavam o argumento válido, mas apenas para este grupo de pessoas que tem dívidas maiores. Isto me motivou a pensar no caso dos demais endividados, como por exemplo o João, que deve R$4.000,00 no cartão de crédito; a Maria, que deve R$8.000,00 no crédito pessoal, e; a Olga, que deve R$6.000,00 no cheque especial.

Mais uma vez, com base nas taxas de juros do Banco Central (Bacen), complementadas pelas do banco no qual sou correntista (para o cartão de crédito, já que o Bacen não disponibiliza tais dados), fiz a tabela abaixo, com um objetivo apenas: calcular o quanto os 3 cidadãos acima teriam que ter de aplicações financeiras para compensar os juros devidos nas dívidas. Vejam vocês que mesmo nestes 3 casos, com dívidas bem menores e mais comuns, seria necessário que todos eles tivessem entre R$70.000,00 e R$80.000,00 aplicados para gerar o mesmo valor em juros que lhe são cobrados em suas dívidas.

Em R$

Cartão de Crédito

Crédito Pessoal

Cheque especial

Dívida

R$4.000,00

R$8.000,00

R$6.000,00

Taxa de juros a.m.

11.5%

5.3%

7.8%

Juros

R$460,00

R$424,00

R$468,00

CDI Nov/13 (Líq. IR a 15%)

0,6035%

0,6035%

0,6035%

Aplicação financeira que rendendo Selic geraria os mesmos juros da dívida

R$76.222,00

R$70.257,00

R$77.548,00

Fonte das taxas de juros Crédito Pessoal e Cheque Especial: Banco Central. Para o Cartão de Crédito, como o Bacen não divulga taxas médias, usei as taxas do banco no qual possuo conta

Pensando no cidadão comum brasileiro hoje, pergunto: quantos tem mais de R$70.000,00 em aplicações financeiras? Segundo dados do Fundo Garantidor de Crédito – FGC, muito poucos. Poderíamos ir ainda um pouco mais longe e imaginar que provavelmente estes milhões de pessoas que se encontram endividados com cartão, cheque especial e crédito pessoal, provavelmente possuem menos reservas financeiras ainda. Se é que possuem alguma.  Ou seja, se eles não tem mais de R$70.000,00 em aplicações financeiras, então estão pagando mais juros do que recebem, valendo pra eles também a crítica que fiz no artigo anterior.

Em resumo, agradeço àqueles que questionaram meu artigo anterior, pois ao me fazerem pensar nos demais casos, reforçaram a minha percepção de que estamos tentando ficar ricos da forma errada. É mesmo com a boa gestão das suas dívidas que o brasileiro comum deveria estar preocupado. Por isso, pergunto: você já pesquisou se a dívida que tem é a melhor que poderia ter? Já comparou taxas? Pra pensar…

(Publicado também em http://dinheirama.com/blog/2014/01/27/ficar-rico-jeito-errado-parte2/)

Autor

Daniel Meinberg
Autor do livro “O Melhor Investimento pra Você – Princípios de Educação Financeira”, editora AR, 2015, que trata de forma clara para o leigo sobre diversos produtos focados em investimentos. Ministrou palestras sobre educação financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *