Itaú Bike e Yellow: saiba como as bicicletas compartilhadas funcionam!

Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Apple Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Spotify
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Google Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Castbox

Você já ouviu falar em economia compartilhada? E em bicicletas compartilhadas? Depois do compartilhamento de carros e até de apartamentos, alugar bicicletas tem sido uma aposta das startups. Em grandes cidades, com trânsitos caóticos, aumenta cada vez mais a busca por transportes alternativos, como bicicletas e patinetes elétricos. Ultimamente tenho utilizado as fornecidas pelo Itaú Bike e pela Yellow, e cheguei até a fazer um pequeno teste com patinete elétrico.

 

Recentemente, nós falamos aqui no blog como calcular o custo do carro e as pessoas se surpreenderam com quanto custa manter um carro, especialmente o segundo carro que geralmente não é tão imprescindível. Também falamos dos aplicativos que podem ajudar a economizar dinheiro, facilitar nossas vidas ou mesmo prover uma renda extra. A busca por bicicletas compartilhadas como uma forma alternativa de transporte (e de economia!), é um desdobramento desses outros assuntos.

 

As bicicletas compartilhadas já são tendência internacional: em cidades maiores, já é comum encontrar estações em que é possível alugá-las. Aqui em Belo Horizonte, já circulam pela cidade as bicicletas do Itaú Bike e também as bicicletas amarelas, da Yellow. Eu testei os dois serviços e resolvi te contar: mas afinal de contas, qual a diferença entre eles?

 

itaú bike, bicicletas compartilhadas, aplicativo de transporte, yellow, uber, como alugar bicicleta

 

 

Bicicletas compartilhadas em qualquer lugar

Antes de mais nada, vamos entender a diferença entre um serviço e outro. No Itaú Bike, as bicicletas ficam travadas em estações próprias e você precisa do aplicativo para usá-las. Já no caso da Yellow, a estação não é necessária. A necessidade de pegar ou deixar as bicicletas compartilhadas em uma estação torna o serviço do Itaú Bike um pouco limitado.

 

Com a Yellow, é possível encontrar as bicicletas e deixá-las em qualquer lugar, sendo possível ir até o destino final. Testei as duas em Belo Horizonte, em um trajeto entre a região da Savassi e o bairro Santo Agostinho. Os dois bairros estão dentro da região da avenida do Contorno (onde tem mais disponibilidade desses serviços de bicicleta compartilhada). No caso do Itaú Bike, tenho que deixar a bicicleta em uma estação a quatro quarteirões de distância do meu destino final, o resto do trecho tenho que percorrer a pé. Já com a Yellow, posso ir até a porta do meu destino final, e deixar a bicicleta ali… É claro que é preciso deixá-la em algum lugar que não atrapalhe a circulação de pedestres ou veículos. Essa é uma das principais diferenças entre os dois sistemas, mas ainda há outras.

 

 

A área de cobertura

Em Belo Horizonte, no geral, a área de cobertura fornecida pelo Itaú Bike é maior. Por aqui a Yelllow só atua dentro da região da Contorno, enquanto o Itaú Bike disponibiliza estações na zona norte, e até na Pampulha, que é onde as pessoas costumam fazer uso de bicicletas no fim de semana. Pode ser que em outras cidades, a atuação da Yellow seja maior, ou que ela se expanda em Belo Horizonte nos próximos anos, mas por enquanto, sua área de cobertura perde pra da oferecida pelo Itaú Bike.

 

Qual é o custo para usar bicicletas compartilhadas?

Aqui em Belo Horizonte, a Yellow cobra R$1,00 por cada dez minutos de aluguel das bicicletas compartilhadas. No meu caso, faço um deslocamento de 25 minutos se for a pé.  Na mesma semana, peguei as duas bicicletas para fazer o teste, uma contra a outra, e isso me levou por volta de 7 a 8 minutos de bicicleta. Com a Yellow gastei R$1,00. Com a bicicleta do Itaú Bike, o passe custa R$3,00, o que acaba sendo mais caro pro meu uso, já que usei por um período muito curto. O passe do Itaú Bike dá direito a, durante a semana, até 60 minutos de deslocamento, então eu poderia ter usado por muito mais tempo que usei, mas meu deslocamento era por um trecho curto.

 

Para trechos mais curtos, aparentemente, a Yellow acaba ficando mais em conta. Mas se o período de uso passou de meia hora, já vale a pena o Itaú Bike… Os planos de contratação, no caso do Itaú Bike, podem ser por mês ou ano, que acabam saindo mais barato que o aluguel único. Já a Yellow não tem planos de contratação mais longos, o jeito é pagar o aluguel unitário mesmo.

 

Depois do meu primeiro teste, gostei e fiz um plano anual no Itaú Bike, que sai por R$60 por ano. Esse plano tem algumas regrinhas de uso, mas acaba valendo a pena. É preciso pegar e entregar a bicicleta dentro do horário de uso da estação (de 6h até 23h), por períodos de no máximo 60 minutos (durante a semana) ou 90 minutos (nos fim de semana).

 

Itaú Bike x Yellow

Antes de usar bicicletas compartilhadas, eu tinha o costume de fazer esse mesmo trajeto com Uber. Fazer meu trajeto usando aplicativos de carros compartilhados me custava em média R$7, dependendo da tarifa: se fosse dinâmica, me custava até R$9, R$10. Hoje o mesmo percurso com bicicletas compartilhadas me custa R$1 ou ainda menos, até centavos, com o meu plano anual no Itaú Bike. Mas como fazer o cálculo, e saber qual fica mais em conta?

 

Se meu trajeto antes custava R$7 por dia, considerando que eu tinha esse custo todo dia útil, considerando que, em média, o mês tem 20 dias úteis, meu gasto mensal com esse trajeto era de R$140. Considerando que vez ou outra eu acabava pagando mais caro pela tarifa dinâmica, meu deslocamento alternava entre R$150 a quase R$200.

 

Quando passei a usar as bicicletas compartilhadas, esse valor mensal foi reduzido pra em média R$20, usando a Yellow (e considerando o valor de R$1 por dia). No caso do Itaú Bike, o valor ficou ainda menor: R$5 por mês. Isso porque, contratando o plano de R$60 por ano, dividido por 12 meses, o valor é  de R$5 por mês. Eu passei de R$180 mensais de deslocamento na hora do almoço, para R$5. Uma bela economia de R$175! Essa quantia fica muito mais expressiva se você decide investir, imagine… Ao mesmo tempo é possível se divertir, praticar atividade física e economizar no fim do mês!

 

Mas como uso as bicicletas compartilhadas?

Antes de utilizar as bicicletas é preciso desbloqueá-las. Para localizar a bicicleta da Yellow é preciso abrir o aplicativo e encontrá-las pela cidade. Usando a do Itaú Bike, dependendo da sua localização, também é preciso pesquisar pelo aplicativo onde é a estação mais próxima.

 

Outro passo importante antes de sair andado por aí na sua bicicleta é criar seu cadastro e colocar créditos. Preferi usar cartão de crédito, mas existem outras formas de colocar crédito nesses aplicativos. Na Yellow, por exemplo, é possível pagar no dinheiro, cartão de crédito e até compartilhar créditos com amigos. Bem interessante, não é?

 

Depois de abrir o aplicativo da Yellow, colocar créditos e localizar sua bicicleta, é só apontar a câmera do seu celular para o QR code (cada bicicleta tem um) e o sistema da Yellow automaticamente libera a bicicleta. O cadeado se abre na sua frente! O aplicativo registra o uso daquela bicicleta a partir dali e o reloginho começa a contar. Dez minutos, R$1. Digamos que andei 15 minutos, gastei R$2,00. Quando acabar eu tenho que finalizar a viagem e trancar manualmente o cadeado. Quando trancado, não abre mais e é enviada uma mensagem de fim do percurso.

 

No caso do Itaú Bike funciona mais ou menos do mesmo jeito. Você localiza a estação no mapa, o aplicativo te avisa quantas bicicletas estão disponíveis e chegando lá é só escolher uma. Seja cuidadoso: algumas bicicletas podem não estar em bom estado, com o pneu murcho, por exemplo, o que pode dificultar na hora de subir uma ladeira. Mesmo assim, caso escolha uma bicicleta em estado ruim, é possível cancelar em até cinco minutos desde o momento do aluguel, sem cobrança.

 

O que acontece se deixo a bicicleta fora da área de cobertura?

Deixar a bicicleta fora da área de cobertura gera cobrança de uma taxa para trazê-la de volta. Não se engane: mesmo possibilitando deixar a bicicleta onde o usuário desejar, os aplicativos localizam as bicicletas por GPS. Em Belo Horizonte, a Yellow cobra uma penalidade de R$30 por deixar a bicicleta fora da área de atuação.

 

Antes de contratar o serviço, é preciso que você preencha um “checkbox” confirmando que você sabe dessa política… Eles deixam claro que será cobrado o valor de R$30 caso a bicicleta seja deixada fora da região coberta. É como eles fazem para que a regra seja cumprida, e pra manter a capilaridade da zona atendida.

 

Demanda maior que oferta

O grande problema desses serviços de bicicleta é atender a demanda. Na verdade já há mais demanda do que oferta de bicicletas, especialmente em casos que existe certo padrão de oferta. Aqui em Belo Horizonte, por exemplo, tem muito morro, mas ainda é possível se deslocar com bicicletas compartilhadas. Tem lugares em que é fácil, outros mais difícil, e aí tem vantagem o Itaú Bike: a bicicleta da Yellow não tem marcha. A bicicleta do Itaú Bike tem 3 marchas, o que faz toda diferença nos morros e ladeiras aqui de Belo Horizonte.

 

Financeiramente é vantajoso andar por aí de bicicleta, você economiza, faz exercício e se diverte ao mesmo tempo, mas o problema pra mim tem sido que quando quero usar, principalmente agora que tenho um passe anual ilimitado, às vezes não conseguindo achar nenhuma bicicleta. Essa dificuldade acontece especialmente em estações em lugares altos: as pessoas pegam as bicicletas para descer.

 

Por isso essas empresas acabaram desenvolvendo um serviço para tentar redistribuir as bicicletas durante a noite, pra que de manhã, quando você sair da sua casa e tentar ir de bicicleta para o trabalho, seja possível encontrar um número minimo de bicicletas nas estações que são mais demandadas. Mas é claro que isso é um grande desafio, tenho notado que tanto a Yellow quanto o Itaú Bike não tem conseguido redistribuir as bicicletas nas estações (ou lugares mais demandados) satisfatoriamente.

 

E se todos os compartimentos estiverem ocupados na hora de devolver?

Esse é um problema que a Yellow não tem. Você chegou e não tem lugar, você tem que fazer igual estacionamento de moto, ficar parado esperando alguém chegar, tirar a moto, para colocar a dele. Você pode fazer isso com a sua bicicleta ou então ir até a próxima. No caso da Yellow não existe isso como você pode deixar a bicicleta em qualquer lugar, você não está limitado pela disponibilidade de vagas para trancar a sua bicicleta, como no caso do Itaú Bike.

 

Quais são as funcionalidades das bicicletas?

Já sabemos que as bicicletas da Yellow não têm marchas, enquanto as do Itaú Bike têm 3. Também é possível ajustar a altura do selim em ambas as bicicletas, facilitando usar a amplitude da sua pedalada. Em algumas ainda tem uma cestinha que dá pra colocar uma mochila ou até compras de supermercado.

 

Outra coisa bem importante é que as bicicletas que andei não tinham cadeados (o que dificulta pausas no trajeto). Já andei de bicicleta na França, onde existe o passe para turismo o dia inteiro, e o cadeado possibilita tranquilidade… Quem quiser fazer uma pausa no trajeto para conhecer um ponto turístico (como uma Igreja, por exemplo) é só parar a bicicleta, trancar em alguma grade, árvore, ou poste. Assim é só visitar a atração, voltar e pegar a mesma bicicleta. Sem cadeado, outra pessoa pode alugar a mesma bicicleta pelo aplicativo, prejudicando quem só tinha feito uma pausa rápida no trajeto.

 

E os patinetes elétricos?

O serviço de aluguel da Yellow também oferece patinetes elétricos, que são ainda mais demandados que as bicicletas. Isso acontece logo porque são elétricos e é possível se deslocar de forma rápida sem ser preciso fazer muita força… Pra quem gosta dessa ideia, lá fora esses sistemas de compartilhamento de bicicleta já disponibilizam bicicletas elétricas! Elas intensificam sua pedalada, sendo quase desnecessário fazer qualquer esforço. É provável que esse tipo de bicicleta chegue por aqui em algum momento, através da Yellow ou concorrentes…

 

No caso do patinete da Yellow, (o Itaú Bike não fornece) é mais caro: existe uma taxa de desbloqueio de R$3. Também é cobrado o valor de R$0,50 por minuto. Esse trajeto que fiz de 7 minutos custou, se não me engano, R$6, R$7, valor parecido com o do Uber.

 

Outro ponto importante é a performance dos patinetes que, segundo a Yellow chegam a 20km/h sem perder velocidade nas subidas. Mas no meu caso não foi bem assim… O que aluguei diminuiu a velocidade para subir, talvez porque já estivesse com a bateria pela metade. Pode ser que a bateria tenha interferido ou não, mas na hora de alugar um patinete elétrico, tenha cuidado com a carga da bateria!

 

Alugou a bicicleta? Cuidado com o trânsito!

Em cidades maiores, como Belo Horizonte, não é raro encontrar desrespeito no trânsito com o ciclista. Em algumas cidades ainda é preciso fazer mais ciclovias, ou será preciso guiar a bicicleta com carros, ônibus e motos… Realmente não é uma situação muito tranquila. Mas se esse é o seu caso e se a cultura de bicicleta ainda não está bem estabelecida na sua cidade, uma alternativa é começar a usá-las aos poucos.

 

Uma saída é começar alugando essas bicicletas para andar em áreas mais tranquilas, e depois ir testando áreas mais movimentadas. Além disso, para sair por aí andando com bicicletas compartilhadas talvez seja preciso fazer ajustes no seu trajeto, afinal de contas. andar de bicicleta não é igual andar de carro ou de Uber, certo?

 

Pegar uma via expressa para ir para o trabalho, por exemplo, pode ser complicado de bicicleta. Competir com carros, ônibus e motos em alta velocidade não é fácil, principalmente quando querem chegar rápido ao seu destino. Mas uma solução pode ser fazer ajustes na rota e passar por dentro do bairro, se deslocando por vias menos movimentadas… Afinal, é mais fácil encontrar solidariedade dos motoristas quando as pessoas não estão se deslocando com tanta pressa. Aqui em Belo Horizonte, a solidariedade dos motoristas é fundamental ainda mais porque existem ladeiras, e eventualmente é preciso desviar delas, o que pode acabar atrapalhando um pouquinho o trânsito.

 

Quanto mais gente usar, melhor o serviço fica!

É preciso fazer ajustes, é claro, mas é muito mais fácil conseguir apoio da prefeitura – e até dos próprios motoristas – quando existem mais pessoas usando bicicletas por aí… É preciso gerar demanda para que esses serviços de bicicletas compartilhadas sejam melhorados, para que sejam construídas mais ciclovias e que haja mais respeito pelos ciclistas.

 

Serviços como esses evitam a emissão de poluentes, melhoram o trânsito, estimulam o exercício físico e ainda são divertidos! Além disso, são uma opção ótima para economia, principalmente se a sua cidade incentiva esse tipo de transporte. Fora que, caso você decida investir esse dinheiro que será economizado todos os meses (confira nosso simulador de investimentos), pode ter um bom dinheiro a longo prazo que nem estava previsto no seu orçamento! Ou seja: é bom pra todo mundo.

 

 

 

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *