O Método dos Envelopes

Orçamento Doméstico

Você já criou seu orçamento doméstico? Não? Mesmo não sendo a situação ideal, você não está sozinho (a)… Como trouxe meu amigo Daniel Meinberg no post sobre a Trágica Situação da Educação Financeira do Brasileiro que destrinchou com maestria o relatório Competências em Educação Financeira divulgado pelo Banco Central. No relatório, 56% dos brasileiros dizem não fazer um orçamento doméstico ou familiar e 50% sentiram, alguma vez nos últimos 12 meses, que as despesas foram maiores que a renda. Ou seja, em ambos os dados percentuais as pessoas não estão tendo controle das despesas. Os primeiros porque não sabem o que ganham e gastam. Já os segundos porque deixaram as despesas fugirem do controle. Ambos os casos são muito preocupantes…

Mas, como deixar esta tarefa de fazer um orçamento doméstico mais fácil? Será que há alguma forma? Planilhas, aplicativos?

A contabilidade mental

Muitas vezes fazemos uma contabilidade mental das nossas despesas, o que gera uma “bola de neve” no nosso orçamento. Mas, não fique triste se você se enquadrou nesta situação, você não está sozinho! Falamos aqui no Educando seu Bolso em um post e em um podcast sobre a Economia Comportamental. Se você não leu, não deixe de ler! Se leu, leia novamente! Eu e meu amigo Ewerton Veloso tratamos do assunto quando Richard Thaler foi laureado com o Prêmio de Economia em Memória de Alfred Nobel em 2017.

É racional não saber qual o percentual de juros? Claro que não, não é mesmo? Mas, irracionalizamos a situação para resolvê-la logo! Essas decisões foram motivadoras para Richard Thaler em seus estudos. Ele percebeu que as decisões econômicas são frequentemente tomadas com um “foco” específico. Isso faz com se simplifiquem as análises sem considerar todas as alternativas e consequências. Ele percebeu, também, que nossa mente nos engana criando a Contabilidade Mental fazendo com que percamos dinheiro. Ou seja, quando se tem duas opções opostas somos propensos a optar pela pior alternativa. E, como falamos, isso acontece pela falta de tempo e pelo hábito de não refletirmos.

O métodos dos envelopes

O métodos dos envelopes foi criado para ajudar as pessoas no orçamento pessoal e doméstico evitando que a contabilidade mental domine os nossos pensamentos. O método se baseia na utilização de envelopes para realizar o controle financeiro e planejar melhor as finanças. Alguns princípios são básicos para o método, tais como:

  • 70% da renda líquida usada para despesas
  • 20% da renda líquida para uma reserva de emergências
  • 10% da renda líquida para os investimentos

Como funciona?

O primeiro passo é comprar alguns envelopes coloridos. Escreva nos envelopes as seguintes categorias – são sugestões (elas podem variar de acordo com cada necessidade): casa, carro, saúde e estética, educação, compras, supermercado, lazer, dívidas (espero que este fique vazio!), reserva de emergência e investimentos. Para cada envelope você deverá enquadrar as seguintes despesas:

  • Carro: seguro, manutenção, IPVA, combustível
  • Casa: aluguel, condomínio, água, IPTU, seguro residencial, energia elétrica, gás, telefone, internet e TV a cabo, manutenção do imóvel
  • Saúde e Estéticaplano de saúde, remédios, exames e consultas não cobertos pelo plano, gastos com estética e academia
  • Supermercado: inclui as compras de alimentação e produtos de limpeza
  • Lazer: viagem, restaurantes, cinema, teatro, passeios
  • Educação: mensalidades escolares, livros, uniformes, transporte escolar
  • Compras: compras avulsas que não estão nos outros itens, tais como vestuário, calçados, livros, maquiagem, perfumes, presentes
  • Dívidas: todas as dívidas
  • Reserva de emergência: valor que será separado para gastos emergenciais
  • Investimentos: 10% da renda líquida a ser investida todo mês

O primeiro mês

Em cada envelope você deve escrever o quanto acha que gasta com cada categoria. Ao longo do mês, vá colocando todos os comprovantes dentro de cada envelope, dentro da respectiva categoria. Assim que o mês acabar, compare o valor da soma dos comprovantes com o valor escrito no envelope.

Cuidado para não se assustar neste momento! Você, provavelmente, perceberá que um ou mais envelopes terão resultado muito diferente do que imaginou. Coloque uma marca neste envelope, pois ele é o envelope-vilão!

Ah, no primeiro mês não serão usados os envelopes de reserva de emergência e de investimentos.

Do segundo mês em diante

Agora que você já tem uma ideia mais clara de quanto gasta em cada categoria, altere o valor escrito em cada envelope para a soma dos comprovantes do mês anterior. Assim, você terá o objetivo de gastar somente o dinheiro que está dentro do envelope.

Aproveite para separar 10% da renda líquida para o envelope de Investimentos e aplique este valor em alguma aplicação que supere a inflação. Os recursos que sobrarem (como supracitado, o ideal é que seja 20% da renda líquida), deve ser guardado no envelope Reserva de Emergência. Diferentemente do envelope de Investimentos, o da Reserva de Emergência deve ter total liquidez, afinal, emergências, apesar de não serem desejáveis, nunca saberemos quando ocorrerão. Opções não faltam: Utilize o nosso Simulador de Investimentos e a nossa parceira Monetus!

Agora, é repetir este processo até conseguir ajustas todas as contas e envelopes à proporção correta e, assim, fazer um orçamento pessoal bem ajustado.

A Reserva de Emergência e Despesas Previstas

Até pelo próprio nome que carrega, a Reserva de Emergência deve ser usada apenas em emergências! Ou seja, casos excepcionais: problemas de saúde, desemprego, acidentes, conserto de algum eletrodoméstico, por exemplo. Descontroles financeiros não são emergências!

Despesas previstas como IPTU, IPVA, material escolar que, em todos os anos ocorrem não podem ser classificadas como emergências. Faça diferente do normal. Como você percebeu, nos envelopes Carro e Casa estão incluídos IPVA e IPTU, respectivamente. Então, divida o valor destas despesas por 12 e pague parceladamente antes da despesa acontecer. O que você sabe que vai acontecer não pode ser encarado como imprevisto!

Crie objetivos e o envelope dos sonhos!

Um dos pontos mais vantajosos do Método dos Envelopes é poder criar objetivos em alguns envelopes ou criar um específico para os sonhos! Aí, você guarda um pouco todo mês e quando a conta chegar, é só pagar! Além disso, guardando antes, as chances de você conseguir um desconto por estar pagando a vista é muito maior! Já imaginou chegar a uma agência de viagens e comprar um pacote sem ficar devendo pelos próximos 12 meses e ainda ter dinheiro para fazer os melhores passeios daquele destino? É um sonho, não é mesmo! Mas, planejando, o sonho fica mais fácil!

Faça do orçamento o seu aliado!

Em alguns momentos é normal gastar um pouco mais que o previsto, não é mesmo? Se estiver faltando dinheiro em uma categoria e acha que pode precisar de mais, tire o dinheiro de algum outro envelope antes de sair. Afinal, o dono do orçamento é você, e não o contrário!

Isso nada mais é que fazer escolhas! A economia é conhecida como a ciência das escolhas, por isso. Quando fazemos escolhas nas nossas vidas, estamos verificando qual das alternativas nos dará maior satisfação em determinado momento do tempo, que é aquele momento em que a escolha é feita. A essa satisfação proporcionada pela posse ou uso de um bem chama-se utilidade.

Quando fazemos escolhas, damos valor a algo mais importante em detrimento de outra coisa. Tudo isso é muito subjetivo e a escolha de uma pessoa não é necessariamente é a escolha de outra pessoa. Depende dos nossos gostos e preferências, embora sejam, também, influenciadas pelos preços das alternativas e pelo próprio momento da escolha – um casal sem filhos, provavelmente, escolherá um carro menor e mais econômico em comparação com um casal com dois filhos pequenos que necessite de um porta-malas maior. Ou seja, são as mesmas pessoas, mas, em momentos diferentes.

Comece o quanto antes!

Agora, é visitar a papelaria mais próxima, comprar envelopes coloridos! Ponha a mão na massa! O método dos envelopes não é a única forma de fazer o orçamento doméstico. Há outros posts no Educando seu Bolso sobre o tema! Não deixe de ler! Leia: parte 1, parte 2, parte 3 e parte 4!

Independente da forma, seja pelos envelopes, seja pelo velho caderno, pela planilha de Orçamento Pessoal da BM&F Bovespa ou por aplicativos como o Guia Bolso ou Organizze, o que é o mais  importante é ter as finanças controladas e olhar para as pesquisas e para as estatísticas e não se enxergar nelas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *