Se você quer saber a melhor opção entre amortizar no prazo, na parcela ou investir seu dinheiro, descubra a melhor opção no nosso Relatório de Amortização

Estou endividado? O que fazer?

Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Apple Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Spotify
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Google Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Castbox

Será que é possível ignorar uma dívida que só aumenta a juros estratosféricos? Esse é o assunto que uma pesquisa recente resolveu explorar. Segundo ela, “consumidores ignoram dívidas no rotativo do cartão de crédito”. Esse assunto é nosso velho conhecido. Já falamos muito sobre superendividamento no blog.

 

Uma coisa é ter dívidas, outra é estar superendividado

O uso consciente do crédito pode ser um bom parceiro no crescimento. O problema é que muitas pessoas estão fazendo mau uso do crédito, ou até se endividando sem perceber! O rotativo do cartão de crédito é um exemplo disso. A pessoa paga o valor mínimo da fatura e acha que está tudo bem. Não está! A parte que não foi paga é uma dívida, e das mais caras que existem! Quando a pessoa menos espera, os juros já estão consumindo boa parte da renda familiar.

O que fazer para acabar com as dívidas?

Como evitar isso? Como tapar os ralos por onde o dinheiro escapa? Disciplina, um dos pilares da Santíssima Trindade da educação financeira.

Chegou a fatura do cartão de crédito e a pessoa não tem como pagar integralmente. E agora? Ela deve pagar o mínimo e depois correr atrás da dívida? Não necessariamente. Falamos sobre soluções melhores na conversa.

E se a pessoa vive nessa ciranda há meses ou anos? Como parar com isso? Bem, já falamos aqui sobre o uso consciente do cartão, certo? Mas em casos extremos há atitudes mais drásticas. Falamos sobre elas também, durante a conversa.

E, como não poderia deixar de ser, falamos um pouco também sobre o que vem depois de superar o endividamento. Planejamento, controle, investimentos, preparação para o futuro. Afinal, o superendividamento é um grande inimigo das famílias. O endividamento consciente pode até ser um amigo, mas é bom que seja temporário. Bom mesmo é poupar, investir e viver tranquilo, do que ficar endividado.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *