Cartão de crédito: herói ou vilão?

Cartão de crédito: herói ou vilão?

Eta, alma, buraco sem fundo
Que se vive tentando preencher
Com deuses, com terapia
Cartão de crédito, academia
(Pitty, “Boca aberta”)

 

 

 

Este blog reúne vários posts sobre o uso do cartão de crédito, mas eu ainda não havia falado especificamente desse assunto tão importante. Do ponto de vista estritamente financeiro, não há dúvida de que pagar usando cartão de crédito é mais vantajoso do que pagar à vista. Por exemplo, se você vai comprar algo que custe R$ 400, pagar daqui a 30 dias pode significar um ganho de, no mínimo, R$ 2 em relação a pagar hoje (o rendimento mensal de 0,5% da poupança, aplicado aos R$ 400). “Ah, mas R$ 2 é pouco”, alguém dirá. Sim, mas, se nós pensarmos em uma fatura de R$ 1.000 e se levarmos em conta que há investimentos melhores que a poupança, que o prazo de pagamento pode chegar a 40 dias e que compras podem ser parceladas, o ganho pode ser maior.

Mas é preciso tomar vários cuidados. Por exemplo, a anuidade. Não adianta nada a pessoa fazer ginástica financeira, escolher a melhor data para comprar, aplicar seu dinheiro em um fundo para, no final das contas, economizar, digamos, R$ 100 por ano, e pagar R$120 de anuidade no cartão.

Mas esse não é, nem de longe, o pior dos riscos. Perigoso mesmo é o descontrole nos gastos. A regra número 1, nesse assunto, é: cartão de crédito NÃO é despesa, é MEIO DE PAGAMENTO. O que eu quero dizer com isso? Que, dentro de uma fatura de cartão, estão despesas dos mais variados tipos: supermercado, gasolina, roupas etc. Então, a pessoa, ao fazer o seu controle de gastos, não deve lançar uma despesa chamada “Cartão de crédito”, mas, sim, as várias despesas separadas por tipo. Aliás, uma das vantagens do cartão é que a fatura traz os detalhes de cada despesa, o que facilita muito que a pessoa conheça a si própria e aos seus hábitos de consumo.

E a regra número zero é: cartão de crédito não faz desaparecer a obrigação, apenas a adia. Portanto, disciplina! Se for pagar algo com dinheiro, pense duas vezes. Se for pagar com cartão, pense três. Se for parcelar, pense mais ainda.

Tenho um amigo que usa o cartão de crédito o máximo possível, não importa o valor da compra – paga até conta de menos de R$5, em padaria, sem pudor. Se pudesse, pagaria até o flanelinha que finge vigiar seu carro (aliás, em breve poderá pagar, falarei sobre isso na próxima semana). E, se puder parcelar, melhor ainda.

Mas, para que isso dê certo, ele tem um controle de gastos rigoroso. Cada vez que compra parcelado, compromete parte da sua capacidade de consumo no futuro. Assim, ele lança cada parcela – usa uma planilha Excel – no seu devido vencimento. É um dinheiro já gasto, esperando apenas para ser desembolsado.

O preço do descontrole no cartão de crédito é o endividamento excessivo. As tentações vencem a disciplina, parcelas das compras passadas juntam-se aos gastos excessivos do presente e, de repente, a fatura vem maior que a capacidade de pagamento da pessoa. Que, então, não paga o valor total e, portanto, incorre em juros extorsivos.

Não entre nessa! Cuidado com o cartão. Usado com responsabilidade é um meio excelente, pode trazer muitas vantagens. Mal utilizado, pode ser a ruína.

Autor

Ewerton Veloso
Ewerton Veloso é bacharel e mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Trabalha há mais de 10 anos na área de monitoramento do Sistema Financeiro Nacional e é professor de Administração. Neste espaço, pretende convidar o leitor à organização das suas finanças e à reflexão quanto ao seu comportamento como consumidor e investidor.

2 comments

  • Gostei da dica de separar dentro da planilha de excel para controle dos gastos, cada tipo de item que será pago no vencimento do cartão. Até então coloco: valor da fatura, a partir de 2015, vou ter o trabalho de juntar os gastos por itens e lançá-los de forma separada. Assim terei uma noção mais refinada dos gastos mensais. Valeu!

    Responder
    • Ewerton Veloso

      Cássia, eu tenho na minha planilha uma aba para os “gastos gerais” (condomínio, plano de saúde, saques em dinheiro, cheques etc), onde eu incluo também o lançamento “Cartão de crédito”, com o valor total da fatura. E tenho uma outra aba só para detalhar os gastos com cartão de crédito e, assim, ter essa noção mais refinadas dos gastos.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *