O que você está procurando hoje?

Resgate da Previdência Privada: Quando é melhor fazer?

Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Apple Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Spotify
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Google Podcasts
Assinar Podcast Educando Seu Bolso no Castbox
Educando Seu Bolso
Educando Seu Bolso
Resgate da Previdência Privada: Quando é melhor fazer?







/

A previdência privada é um investimento de longo prazo, porém, muitos brasileiros não levaram isso a sério. Em outras palavras, em 2020, com a pandemia covid-19, o resgate da previdência privada feita pelos brasileiros chegou a R$82 bilhões, valor 16% acima de 2019 e o mais alto desde 2012 segundo a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi).

Hoje, vamos ver quais os impactos de um resgate da previdência privada feita de forma antecipada pode causar. Então, para descobrir os impactos de um resgate mal feito, conversamos com a Vanessa Pessoa, que é especialista em previdência privada e atua na LVL Seguros.

Agora, se você deseja evitar perdas no resgate da previdência privada, confira esse episódio no nosso podcast em todos os players acima, se preferir, assista ao vídeo no nosso canal do Youtube ou continue a leitura!

Esse texto possui os seguintes blocos:

Previdência Privada: Poucos entendem o que de fato é…

Em poucas palavras, a previdência privada é um investimento de longo prazo e que serve como complemento à previdência oficial, ou seja, o INSS

Com isso, a previdência privada, como o nome já diz, é uma forma de se aposentar independentemente do Estado.

Logo, o que você precisa é aplicar uma quantia inicial na previdência, através das seguradoras – que são empresas, como a Icatu, a SulAmérica, o BrasilPrev, ou mesmo os bancos Bradesco e Itaú – e, ao longo do tempo, você vai colocando quantias mensais na conta. Enquanto isso, o dinheiro aplicado vai sendo investido até o dia que você decidir fazer a retirada.

Entenda melhor como a previdência privada funciona aqui!

 

Por que não se deve tratar previdência privada como se fosse um investimento comum?

Antes de tudo, é importante destacar que a previdência privada é um tipo de investimento, porém, como falamos, é um investimento de longo prazo, ou seja, você não deve sacar sua previdência privada só porque deu vontade.

Isso ocorre pois a previdência privada possui um imposto de renda (IR) que te beneficia no longo prazo. Além disso, investimento e a previdência privada têm finalidades diferentes.

Ou seja, você pode fazer um investimento com o objetivo de comprar uma casa, um carro ou bancar uma viagem, enquanto a previdência privada, que é sempre impactada pelo imposto de renda,  tem como principal finalidade financiar a sua aposentadoria.

Então, se você tratar a previdência privada como um investimento comum, você pode acabar tendo perdas com tributações e pode chegar na sua aposentadoria com menos dinheiro do que esperava.

Lembre-se sempre, não é ideal que o resgate da previdência privada seja feito no médio e curto prazo e, além disso, se for preciso fazer, deve ser feito com cuidado para evitar perdas com os tributos! 

Confira as 6 razões para você investir em Previdência Privada!

 

VGBL e PGBL: você precisa entender o que essas siglas significam!

Bom, VGBL e PGBL são dois tipos de planos da previdência privada. Com isso, a principal diferença entre esses planos está na forma de tributação do imposto de renda sobre eles. Com isso, ao aplicar nesses planos, pode-se optar pela tabela regressiva ou progressiva, as quais explicaremos mais logo abaixo.

Ainda, vale ressaltar que você pode optar por ter investimentos em VGBL e PGBL simultaneamente, da mesma maneira que pode ter cada um deles em diferentes tabelas de IR.

 

PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre

O PGBL é indicado para as pessoas que entregam a declaração completa do imposto de renda e que possuem a intenção de investir até 12% de sua renda anual em previdência privada.

Pois, o PGBL possui o benefício fiscal de abater no imposto de renda até 12% da sua renda bruta anual.  

Por exemplo, caso a sua renda bruta anual tenha sido de R$100.000, você pode investir até R$12.000 em PGBL e se o fizer o imposto de renda que pagará incidirá sobre R$88.000. Dessa forma, você pagará menos R$ 3.300,00 de imposto no ano seguinte.

Porém, quando você fizer o resgate resgate total ou parcial da sua reserva em PGBL, o imposto de renda incidirá sobre o valor total resgatado e não somente sobre os rendimentos.

 

VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre

No plano VGBL, o IR também incide no momento do resgate da previdência e somente sobre o valor da rentabilidade da aplicação e não sobre toda a reserva.

Não é possível fazer deduções no imposto de renda, como ocorre no PGBL. Por essa razão, o VGBL é indicado para as pessoas que fazem declaração simplificada do imposto de renda ou para aqueles que não fazem a declaração.

 

O que vale mais a pena?

Por exemplo, se você quer investir mais que 12% da sua renda bruta anual em previdência privada, o indicado é investir 12% em PGBL para se ter o benefício fiscal e investir o restante em VGBL, por causa do imposto de renda que será cobrado somente sobre o rendimento.

Se você investir mais do que 12% da sua renda bruta anual no PGBL, não fará diferença, pois o benefício fiscal será de até 12%.

Entenda o básico sobre VGBL e PGBL!

 

Quais os cuidados que devo ter para evitar perdas?

Então, para evitar perdas, listamos abaixo alguns cuidados que você precisa ter antes de fazer resgate da previdência privada.

 

Imposto de renda

É importante entender como funciona o imposto de renda, pois ele afetará o rendimento líquido da sua previdência privada.

Tabela regressiva – O imposto de renda é maior no curto prazo

Se você optou pela tabela regressiva, aqueles que deixam os investimentos aplicados na previdência por um longo período se beneficiam mais. Confira a tabela abaixo:

Prazo do Investimento Alíquota
Até 2 anos 35%
De 2 a 4 anos 30%
De 4 a 6 anos 25%
De 6 a 8 anos 20%
De 8 a 10 anos 15%
Acima de 10 anos 10%

 

Como podemos ver, quanto mais tempo você deixa seu dinheiro aplicado, menor é a alíquota de IR que incide sobre o rendimento.

Dessa forma, se você resolveu resgatar a previdência no curto prazo, você pode pagar mais impostos e, consequentemente, não otimizar seus ganhos.

 

Tabela progressiva – Quanto maior o resgate, maior a tributação sobre ele

Se você escolher a tabela progressiva, você pode fazer resgates menores, pois, assim paga menos IR. Veja a tabela abaixo:

Base de Cálculo Anual Base de Cálculo Mensal Alíquota
Até 22.847,76 Até R$1.903,98 Isento
De R$22.847,88 até R$33.919,80 De R$1.903,99 até R$2.826,65 7,5%
De R$33.919,92 até R$45.012,60 De R$2.826,66 até R$3.751,05 15%
De R$45.012,72 até R$55.976,16 De R$3.751,06 até R$4.664,68 22,5%
Acima de R$55.976,16 Acima de R$4.664,68  27,5%

 

Além disso, se você ficou desempregado e escolheu no momento da adesão do plano esta tabela, você tem mais chance de se beneficiar, pois o resgate compõe a renda, ou seja, se você não possui renda, menor é a alíquota.

Ainda, vale ressaltar que esta tabela é indicada para quem tem salários menores pelo INSS , pois mesmo que você receba resgates ou renda pela previdência privada, ainda, estará submetido a uma alíquota mais baixa.

Veja esse conteúdo sobre o imposto de renda, conheça as regras e saiba em quais delas você se enquadra!

 

Não tenho opção, preciso fazer o saque da previdência, o que fazer?

Bom, se você é um profissional liberal ou perdeu o emprego e, com isso, você está sem renda, não tem onde tirar o dinheiro, você pode acabar precisando sacar do seu último recurso. 

Nesse caso, priorize os resgates no VGBL, isso pois nesse tipo de plano o IR incide somente sobre os rendimentos, enquanto no PGBL a tributação ocorre sobre os rendimentos e no principal investido.

Agora, se você tem investimento somente em PGBL e optou pela tabela decrescente (regressiva), priorize resgatar a reserva que está mais tempo aplicada, pois o IR incidido é menor. Dessa forma, se você precisa fazer o resgate, faça daquele que possui a menor alíquota de IR.

Além disso, se você precisa cobrir uma dívida de cheque especial, cartão de crédito ou quitar um apartamento, por exemplo, evite fazer resgates totais, isto é, faça resgates menores para pagar alíquotas menores.

Provavelmente, se você precisa resgatar a previdência é porque não houve um planejamento financeiro e, com isso, você não formou uma reserva de emergência para te salvar nessas situações. Por esse motivo, indicamos que você faça o nosso curso Jornada para o Equilíbrio Financeiro, pois é importante que você aprenda sobre poupança, investimento e reservas de emergência para não passar apertos financeiros!

 

Taxa de Saída: cuidado com ela!

Com o objetivo de estimular os investidores a  manter os recursos na previdência privada no longo prazo, algumas seguradoras e bancos de previdência privada estabelecem como restrição a taxa de saída. Ou seja, a taxa de saída é uma cobrança sobre o valor investido quando um resgate é feito.

Segundo a Vanessa, no momento, a maioria dos planos não têm taxa de saída, mas, as instituições que cobravam, usavam como base o tempo e valor de contribuição acumulada. Logo, quanto maior o tempo ou maior a contribuição, menor é a taxa de saída.

 

Sacar a previdência e reaplicá-la é uma boa estratégia?

 

Quando é uma boa estratégia…

É uma boa estratégia se você optar pela tabela regressiva e fizer o resgate na alíquota de 10%, pois você ganha 27,5% de volta se reaplicar. Não entendeu? Vamos a um exemplo:

Edu tem o plano PGBL com tabela regressiva há quase 20 anos, logo, uma parte dos seus aportes já está na alíquota de 10%. Em 2021, ele continuou tendo desconto de IR na fonte de 27,5%, ou seja, retirado do seu salário.

Para reduzir sua carga tributária de forma lícita, ele fará uso mais uma vez de aporte ao seu plano de previdência privada.

Com isso, o Edu pode lançar como despesa até 12% da renda bruta declarada à Receita Federal. Então, se Edu recebe R$100.000 ao ano, ele pode investir em previdência até 12 mil reais por ano e receber 27,5% do valor investido de volta. Ou seja, no ano seguinte Edu terá R$ 3.300,00 de retorno como incentivo fiscal.

Dessa forma, ele paga 10% de IR no resgate, investe o rendimento líquido e pode lançar a despesa como dedução na sua próxima declaração de imposto de renda e assim obter a restituição de IR correspondente (27,5% do valor aportado).

 

Quando é uma estratégia ruim…

Por outro lado, cada vez que você resgatar seu dinheiro, você pagará IR, dessa forma, resgatar e reaplicar os recursos da previdência, com frequência, podem ter efeito negativo sobre seus rendimentos.

Consequentemente, por causa desse custo, o que sobra é um valor líquido um pouco menor do que se ainda estivesse aplicado no plano.

Logo, fazer resgates e reaplicar, com frequência, representa maiores gastos com o Imposto de Renda. Por isso, os saques devem ser planejados e feitos com cuidado.

Descubra mais sobre a plataforma virtual da Receita Federal, que é um facilitador na vida de quem declara imposto de renda!

 

Quero resgatar a previdência antecipadamente, como diminuir a perda?

Ao longo do texto você percebeu que é importante evitar ao máximo os resgates antecipados da previdência privada, mas, se não for possível esperar, deixamos abaixo algumas dicas.

Primeiro, se você deseja maior rentabilidade, não é necessário fazer o resgate da previdência privada por essa razão. Pois, os recursos estão aplicados em fundos, logo, esses podem ser trocados por outros tipos de fundos. 

Além disso, você pode mudar de aplicação sem sacar o dinheiro, com isso, você deixa de pagar o IR. Também, se você deseja fazer a portabilidade dos seus recursos, é possível fazê-lo sem fazer um resgate.

Em caso de extrema necessidade, ou seja, você não tem de onde tirar renda, optar por fazer resgates menores é uma boa opção, dessa forma, o impacto do IR será menor. Lembre-se, o saque da previdência privada só pode ser feito a cada 60 dias, por isso, planeje-se de acordo com o tempo de carência!

Como destacado durante o texto, priorize os resgates no VGBL,  pois nesse tipo de plano o IR incide somente sobre os rendimentos, enquanto no PGBL a tributação ocorre sobre os rendimentos e no principal investido.

Por fim, você pode entender qual é o melhor cenário para sua situação usando nosso simulador de aposentadoria e, também, o nosso simulador de investimento em renda fixa e comparar os resultados. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *