Vale a pena trocar o seu plano de Previdência Privada?

O assunto do texto e do podcast de hoje é de grande relevância para quem tem um plano de previdência privada. Ele é importante, em especial, para quem tem planos mais antigos, como FAPIs e Contas Vips.

Muita gente com mais de 40 anos tem esses planos, e os mais jovens muitas vezes são beneficiários dessas minas de ouro, que estão sendo jogadas fora seguindo má orientação de gerentes de bancos.

Será que você está perdendo dinheiro com seu plano de previdência? Você sabe se seu Plano tem rentabilidade garantida? E Excedente Financeiro? Sabe em que tábua atuarial está? E em que regime tributário? É possível ainda fazer aportes? Vale a pena fazer portabilidade? Você sabe quais são seus direitos? Seu gerente/consultor não está te mostrando alguma coisa importante? Estão te negando acesso aos seus direitos?

Para responder a todas essas dúvidas, muito recorrentes entre os leitores do Educando Seu Bolso, trouxemos a Vanessa Pessoa, que foi Supervisora Master da Bradesco Vida e Previdência e tem mais de 20 anos de experiência no ramo, para oferecer informações precisas e de qualidade.

Você pode ter acesso ao conteúdo tanto de maneira escrita, por este texto, quanto em forma de áudio, por meio do nosso Podcast! Basta clicar no “play” logo acima deste texto.

Previdência privada

Previdência privada: planeje-se!

SIMULE APOSENTADORIA

 

Sobre o que vamos falar?

O texto de hoje tem o objetivo principal de alertar e informar nossos leitores sobre problemas recorrentes entre quem tem um plano de previdência privada contratado antes do ano de 2005.

Além disso, demonstraremos que manter esse plano é uma atitude mais vantajosa do que contratar um novo. Vale a pena ler, ou escutar, para você parar de cair no conto do gerente.

 

Consulte seu plano de aposentadoria!

Já possui um plano de aposentadoria? O Educando seu Bolso indica a  LVL Seguros, empresa que está a mais de 16 anos no mercado. Eles se comprometem em analisar o regulamento do seu plano atual e esclarecer as garantias e deveres adquiridos. Veja mais aqui!

 

Quais são os problemas vistos nesses planos de previdência privada?

Aportes dificultados

Nos anos de 1997 até pouco depois de 2002, a rentabilidade era muito alta nos fundos de renda variável, e a maioria dos bancos oferecia fundos de previdência com rentabilidade garantida, como é o caso dos FAPIs e Contas Vips. Para as instituições financeiras era interessante vender esse tipo de fundo, na época. Geralmente a rentabilidade garantida por elas era de IGPM + 6%, o que é um valor ótimo, se considerarmos que o risco da operação para o cliente é zero.

A partir de 2003/4, porém, esses fundos começaram a não gerar o retorno esperado aos bancos. As instituições, além de pararem de comercializar esses fundos, passaram a estimular que os clientes saíssem deles. Até os dias de hoje muitas instituições ainda dificultam, por exemplo, os aportes de clientes que os possuem.

Entretanto, se você tem uma Conta Vip ou FAPI você tem o direito, sim, de fazer aportes. Alguns gerentes de banco e corretores tentam persuadir seus clientes a pararem de fazer aportes nessas contas antigas, e alguns até mesmo dificultam o processo. Além disso, os bancos não costumam disponibilizar com facilidade esses contratos mais antigos, e, com isso, as pessoas não sabem exatamente ao que têm direito.

 

Qual a consequência disso?

Muitas pessoas acabam criando, então, uma nova matrícula num PGBL ou VGBL, para que possam continuar fazendo seus aportes. Esses fundos são ditos como sendo opções mais lucrativas ao cliente, mas a verdade é que não há fundo de previdência privada que possa ser aberto hoje que tenham rentabilidade e segurança altas como esses planos de previdência antigos, como os FAPIs e Contas Vips.

Alguns casos são ainda piores: o banco convence o cliente a transferir toda a reserva que ela tinha em um fundo antigo para um novo. Ou seja, não apenas os novos aportes serão feitos no fundo novo, mas tudo o que ela tinha será, também, transferido para um PGBL da nova geração, que não tem nem de longe as mesmas vantagens. Com isso o cliente muitas vezes não consegue nem mesmo recuperar o seu fundo antigo, já que uma das condições da maioria dos fundos é a de que, se o saldo é zerado, o contrato se encerra.

Portanto, há um claro interesse por parte dos bancos e seguradoras de se livrarem de um compromisso muito bom para o lado do cliente, mas que não é tão benéfico assim para eles.

 

Prós e contras desses planos de previdência privada antigos

Taxas de carregamento

A taxa de carregamento é um percentual cobrado sobre os valores aplicados no seu plano de previdência. Nos fundos mais antigos as taxas variam entre 4 e 9%. Então, no caso de um fundo com taxa de 4%, ao aportar R$1000 você precisaria pagar R$40, ou seja, estaria aportando apenas R$960. Nos planos de previdência privada mais novos essa taxa costuma ser zero.

Muitas vezes, gerentes e corretores usam o fato de as taxas de carregamento dos fundos antigos serem altas como um incentivo para que as pessoas aportem em fundos mais novos. De fato a taxa de carregamento é um ponto positivo que os fundos novos têm em relação aos antigos, mas, ao colocar na ponta do lápis, os antigos ainda são mais vantajosos.

Isso ocorre porque a taxa de carregamento não é uma taxa cobrada com recorrência, ela é cobrada apenas uma vez. Em contrapartida, o rendimento do fundo é obtido todos os meses.

Ou seja, para que você coloque dinheiro em um FAPI ou Conta Vip você realmente precisa pagar uma taxa que não precisaria pagar em um fundo mais novo. Entretanto, esse valor é mais que compensado quando olhamos os rendimentos que você obtém mês a mês com seu plano antigo.

Em poucos anos o seu rendimento superior já se equipara àquilo que você gastou a mais para aportar o dinheiro. Essa comparação fica ainda mais vantajosa quando levamos em conta que a previdência privada é um investimento de longo prazo.

SIMULE APOSENTADORIA

 

Alerta: Fique de olho nas matrículas!

A matrícula é uma espécie de certificado do seu contrato de previdência. Sendo assim, para cada contrato há uma matrícula. Se você optou por fazer contratos em 10 fundos diferentes, portanto, você terá 10 matrículas. Ou seja, ter muitas matrículas não é um problema, quando você está ciente da existência delas.

O problema está em contratar uma nova matrícula sem saber que o está fazendo. Isso pode ocorrer em casos como os citados anteriormente, de pessoas que tentaram fazer aportes em seus fundos de previdência antigos mas acabaram fazendo-os em novos. Nesse caso, o consultor, ou o gerente, precisou criar uma nova matrícula para o cliente.

Sendo assim, caso você vá fazer uma consulta da sua previdência privada e perceba que tem mais matrículas do que você pensava que tinha, analise bem o caso. Pode ser que você tenha entrado em um novo fundo sem que tenha prestado a devida atenção.

 

Rentabilidade garantida, como assim?

É isso mesmo. Quase todos, senão todos esses planos antigos de previdências das maiores seguradoras do Brasil, como Brasilprev, Caixa Seguros, Bradesco Seguros, Itaú, etc… garantem rentabilidade.

Alguns de TR + 6% a.a., que ao patamar de taxa de juros atual já é bom, e outros até de IGPM + 6% a.a., esse não é só bom, é ótimo. Pra vocês terem ideia, a variação dos IGPM nos últimos anos esteve acima de 7%.

Em 2018 7,5%, em 2019 7,3% e em 2020 já está em 9,64% até agosto. Some a isso os 6% de juros e compare com a Selic de 2%. Viram só a diferença?

 

Excedente financeiro

Muitas das Contas Vips antigas prometiam aos seus clientes um rendimento de IGP-M + 6% e uma porcentagem do excedente financeiro. Mas como é calculado esse excedente?

Suponhamos que o rendimento proveniente do IGP-M + 6% naquele ano tenha representado 10% de rentabilidade. Os fundos de investimentos em que o seu plano de previdência aplica, entretanto, geraram um rendimento de 12%. Nesse caso, o excedente financeiro é a diferença entre o que o fundo de investimento rendeu e o que você recebeu com o IGP-M + 6%. Ou seja o cálculo é 12% – 10% = 2%.

Se seu fundo te prometeu uma porcentagem de 75% do excedente financeiro, no caso você receberia 75% de 2%, ou seja, 1,5%.

Por fim, o seu rendimento, que seria apenas de 10% se seu fundo não te prometesse excedente financeiro, se torna 10% + 1,5% = 11,5%.

Entretanto, se você tem investimentos em um fundo de previdência que te promete excedente financeiro, mas não recebeu nada nos últimos anos, não se preocupe. Nesse caso você não está sendo enganado. Na realidade, há muitos anos os bancos não têm esse excedente técnico nos seus rendimentos, e, portanto, não devem repassá-lo a você.

Em outras palavras: nos últimos anos os bancos têm prejuízo com seus clientes portadores de planos FAPIs ou Contas Vips. Pode ser que, por exemplo, o fundo onde você tenha dinheiro investido tenha rendimento de 8%. Entretanto, seu plano te garante um rendimento de pelo menos 10%. Nesse caso, além de não haver excedente nenhum, o banco ainda precisa tirar do seu próprio lucro um dinheiro que pague o seu rendimento prometido.

Portanto, o excedente financeiro é mais uma vantagem das previdências privadas antigas em relação às novas, que não contam com essa garantia.

SIMULE APOSENTADORIA

 

Tábua atuarial

A última e mais importante vantagem dos planos antigos em relação aos novos é a tábua atuarial. Ela é uma tabela que estima a expectativa de vida do cliente, e, a partir disso, define o valor que será recebido na sua aposentadoria para quem opta por uma renda vitalícia, levando em conta o fator de conversão encontrado.

As tábuas existentes no país são a AT-1949, AT-1983, AT-2000 e a BR_EMS, que é a tábua dos planos de previdência privada atuais. Os planos antigos usavam as duas primeiras – a AT-1949, AT-1983 – que são extremamente benéficas ao cliente. Uma diferença da tábua BR é que ela é corrigida de 5 em 5 anos, ou seja, vai estar sempre atualizada em relação à expectativa de vida.

Naturalmente, quando a expectativa de vida é mais alta, o valor recebido na renda vitalícia é mais baixo, e vice versa. Sendo assim, como a expectativa de vida do brasileiro cresceu muito nos últimos 20 anos, as tábuas atuariais antigas são mais vantajosas que as novas.

Por exemplo, no ano de 2000 a expectativa de vida média do brasileiro era de aproximadamente 70 anos. Essa idade, portanto, era usada como base para o cálculo da renda vitalícia que ele receberia. Se a pessoa saísse do período de acumulação e fosse para o período de usufruto com 60 anos, a corretora levaria em conta que ele provavelmente receberia seu benefício por 10 anos.

No ano de 2017 a expectativa de vida do brasileiro já era de quase 76 anos. Assim, para alguém que se aposentasse aos 60 anos, o cálculo feito pela corretora era de que ele receberia o benefício por 16 anos. Sendo assim, o valor recebido mês a mês seria menor.

Exemplo prático:

Segundo os cálculos feitos pela Vanessa, a tábua AT-2000, que era comercializada antes de 2010, garante 10% a mais de renda vitalícia do que a tábua BR.

Vamos supor que uma mulher de 60 anos de idade tenha na sua previdência R$1 milhão, juntados ao longo do período de acumulação. Ela receberia, de renda vitalícia:

  • R$2800 na tábua BR.
  • R$3150 na tábua AT-2000;
  • R$4467 na tábua AT-1983;
  • R$7504 na tábua AT-1949.

A diferença já é grande para a AT-2000 e em relação a  AT-1983 e a AT-1949 então é de cair pra trás. Além disso, saiba que a tábua BR ainda será modificada (piorada) e atualizada para expectativas de vida cada vez maiores, o valor recebido nela será cada vez menor. Nas palavras da Vanessa, a tábua BR-Ems vai chegar ao ponto de imaginar que somos imortais. Enquanto isso, a AT-2000 não será mais modificada.

Sendo assim, ao aportar num plano novo, você estará abrindo mão de renda mensal a mais no seu período de usufruto.

Descubra como fazer planejamento financeiro em tempos de crise.

 

Vale a pena migrar para um plano de previdência privada novo?

Na maioria dos casos, não!

A pessoa que tem um plano de previdência anterior ao ano de 2005, como os FAPIs e Conta Vips, com tábuas AT-1949 ou AT-1983, deve fazer de tudo para mantê-lo. A diferença em rendimento e vantagens entre eles e um plano atual é enorme.

Quem tem um VGBL ou PGBL com uma tábua AT-2000 ainda terá vantagens no momento de aposentadoria em relação às pessoas que têm uma tábua BR. A diferença hoje (2020) não é tão gritante, mas será maior daqui a alguns anos. Ou seja, a AT-2000 será ainda mais vantajosa que a BR ao longo dos anos, e, portanto, vale a pena que ela seja mantida.

Portanto, fazendo uma pequena recapitulação, os planos de previdência privada mais antigos levam vantagem sobre os novos em:

  • Rendimento;
  • Repasse de excedente financeiro;
  • Rentabilidade garantida;
  • Tábua atuarial mais vantajosa.

Enquanto isso, os planos novos são melhores que os antigos em:

  • Taxa de carregamento.

 

Por fim, investir em uma previdência privada atualmente ainda vale a pena?

Sim! A previdência não deixou de ser interessante, apenas oferece, hoje em dia, menos vantagens do que há alguns anos.

No entanto, ela continua sendo uma forma muito inteligente de acumular recursos, e até mesmo de receber incentivo fiscal. Portanto, caso você já tenha uma previdência privada contratada ou pense em contratar uma, pesquise, compare, e se mantenha atualizado sobre suas informações!

Caso você queira já começar a se informar sobre o assunto, confira nosso Simulador de Aposentadoria! Ele faz cálculos sobre quanto você receberá com base em quanto você deseja investir, por quantos anos e etc. Vale a pena testar!

SIMULE APOSENTADORIA

Por fim, se você ainda tiver alguma dúvida sobre o assunto, sugestão ou crítica, é só deixar um comentário nesse artigo!

2 comentários

  • Que conteúdo maravilhoso, vocês estão de parabéns, sempre procurei conteúdo sobre as previdências antigas e nunca vi nada tão bem explicado como neste post. Tenho um previdência CONTA VIP DE RENDAS PROGRAMADAS do Bradesco feita em 2001 que me rende IGPM+6% a.a com taxa de carregamento de 4%, uma verdadeira mina de ouro, hoje tenho um bom saldo graças aos juros compostos porém tenho a dúvida se consigo postergar o início do recebimento do benefício (acho que ele está programado para 2030). Também não sei onde encontro a minha tábua atuarial. Já pedi o contrato do plano mas nunca me mandaram, consegui o regulamento na internet (encontrei 2 regulamentos, um com propostas subscritas entre dez1997 at 19mar1999 e outro propostas subscritas aps 20mar1999) mas não tem a informação da tábua atuarial.

    Responder
    • Frederico Torres

      Obrigado Anderson. Ficamos muito felizes que o conteúdo tenha lhe agradado. Se puder compartilhar esse testemunho através de um review público então… =]

      Veja, a princípio a resposta para a sua pergunta é sim. Costuma ser possível alterar a data de saída em FAPIs e Contas VIPs. É preciso porém confirmar, já que cada um tem um contrato, que nem sempre é fácil obter (como você percebeu). Para isso, oferecemos o serviço de consultoria abaixo, que me parece indicado para o seu caso. Se quiser contratar, fique a vontade para entrar em contato direto com vanessa@lvlseguros.com.br

      Grande abraó e parabéns por ter o melhor plano de previdência do mercado. Cuide bem dele! =]

      Termos e Condições Consultoria em Previdência Privada

      ESPECIFICAÇÃO DO SERVIÇO.

      A LVL Administradora e Corretora de Seguros se compromete a analisar o regulamento do plano vigente e elucidar as garantias e deveres adquiridos em contratos já adquiridos.

      A Contratante compromete-se a entregar ao Contratado:

      Análise geral do contrato junto à Instituição Financeira

      – Leitura do contrato e regulamentos para apresentação dos direitos e deveres do cliente.

      – Analisar possibilidade de saldamento visando manutenção do plano.

      – Análise de cartas enviadas pela instituição financeira.

      – Orientar sobre Excedente Técnico do contrato, se houver.

      Análise da tábua atuarial contratada

      – Orientar para que o cliente tenha ciência da tábua atuarial contratada, analisar possibilidade de antecipação ou adiamento da concessão do benefício.

      Análise da atualização monetária contratada x aplicada para o contrato vigente

      – Analisar e expor ao cliente a atualização monetária do contrato para contribuições, renda e reserva.

      FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES. O cliente deve enviar regulamento, certificado de adesão e todo documento ou carta recebido da Instituição para facilitar a consultoria. Caso não apresente documentação que permita a consultoria os valores pagos pela mesma serão restituídos.

      PREÇO DO SERVIÇO. R$ 480,00 (Quatrocentos e Vinte Reais).

      PRAZO. Cinco dias úteis após confirmado o pagamento pelo serviço e prestadas as informações necessárias.

      FORMA DE ENTREGA. Correio eletrônico (e-mail), enviado ao endereço fornecido pelo Contratante.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *