Em tempos de WhatsApp bloqueado…

WhatsApp bloqueado???

Entre os dias 17 e 18 de dezembro de 2015, por determinação da justiça (salvo engano, processo que tramita em São José dos Campos com sigilo), o aplicativo para telefones móveis WhatsApp foi bloqueado. Como condição de contorno, descobrimos o Messenger, o Viber e o Telegram. Falamos também da possibilidade de se conectar através de uma VPN.

Alguém não conhece o WhatsApp?

Para quem não o conhece, o WhatsApp é um serviço gratuito de comunicação através de mensagens e voz que utiliza a Internet para trafegar os dados, muito popular no Brasil. Estima-se que 93% dos usuários de Internet móvel no Brasil utilizam o WhatsApp.

Uma ferramenta utilizada por mais de 90% dos usuários de smartphones no Brasil é algo bastante relevante, ainda mais por ser gratuita. O bloqueio repentino, então, pegou muita gente de surpresa e gerou transtornos de toda ordem: crianças deixaram de ir à escola por falta de comunicação entre o motorista do escolar e o pai da criança (que só estava com o WiFi em casa, sem créditos para ligações pelo celular ou envio de SMS – Short Message Service), consultas médicas deixaram de ser desmarcadas, almoços não foram encomendados, enfim, outros contatos importantes foram inviabilizados, inclusive para uso corporativo.

Algumas (boas) alternativas foram encontradas

Citaremos apenas 3 delas, mas existem outras mais: Viber, Telegram e Messenger, além do próprio WhatsApp, mas conectado através de uma VPN.

A primeira, e mais similar, é utilizar o aplicativo Viber. O Viber é muito semelhante ao WhatsApp, mas não tem a mesma penetração. Para quem adquire créditos, o Viber oferece inclusive o Viber Out, que permite gerar chamadas para telefones fixos e celulares que não usam o serviço. Possui também uma plataforma para computadores.

Outra alternativa utilizada é o aplicativo Telegram. Apesar de não permitir o recurso de comunicação por voz como o WhatsApp, permite maior grau de segurança nas comunicações, pois permite que algumas conversas trafeguem de forma criptografada.

O Messenger, originado do Facebook, é outra solução de comunicação bastante disseminada. Talvez a mais disseminada das 3 alternativas que pesquisamos. Funciona de forma similar às demais, com alternativas de comunicação de voz, texto e vídeo. Funciona tanto no seu smartphone quanto no seu computador.

E qual a melhor solução?

Talvez uma combinação dos 3 (Viber, Telegram e Messenger) seja uma boa alternativa para substituir o WhatsApp. Entretanto, como conseguir que todos os seus contatos que possuem o WhatsApp saibam que você está usando o Viber, o Telegram ou outro serviço? Lembramos que o serviço que está sendo bloqueado é, sem sombra de dúvidas, o aplicativo líder em penetração entre os usuários de Internet móvel. Talvez não seja viável, correto? Neste caso, existe a alternativa, para que seu WhatsApp volte a funcionar – com limitações – antes mesmo do desbloqueio determinado pela justiça: criar uma VPN (virtual private network). Com uma VPN, você se conecta à Internet como se estivesse em outro país. Portanto, sua conexão ao WhatsApp é liberada, pois a restrição imposta pela justiça aplica-se apenas ao Brasil. Parece óbvio, correto?

Como criar uma VPN?

Para se criar uma VPN, existem também aplicativos, como o Betternet. Através dele, seu WhatsApp volta a funcionar. Mas não se esqueça de 2 pontos:

1)      Você estará virtualmente em outro país, sujeito às regras e políticas desse país. Isso requer alguns cuidados adicionais, especialmente relativos à segurança da informação.

2)      Nem todos os seus contatos terão acesso ao WhatsApp, pois poucos se conectarão ao aplicativo por VPN.

Definitivamente utilizar uma VPN, com qualquer finalidade, especialmente para burlar mecanismos de bloqueio, não é algo para leigos. Muita gente se aventura e acaba tendo problemas. E problemas sérios. Portanto, esta é uma solução possível mas não a recomendamos. Sugiro que, em uma situação assim, procure por outro app, como os citados anteriormente Viber, Telegram e Messenger.

Acreditamos, desta forma, ajudar nossos leitores a ter alguma comunicação com seus contatos. Deixo ao leitor, entretanto, o juízo de qual a melhor alternativa.

Até a próxima.

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *