Qual o Melhor Investimento? – Parte 3

Qual o Melhor Investimento? – Parte 3

Quem diria: um artigo despretensioso receber tantos questionamentos…

Hoje vou tentar responder aos leitores que convergem as dúvidas para que instituições seriam estas, que oferecem rentabilidade tão boas e como ter acesso a elas.

Bom, vamos pelo mais simples: quais são as instituições? São várias! Dezenas. Centenas, talvez. Vou citar apenas as que pesquisei para escrever os dois artigos anteriores, deixando muito claro não tratar-se de indicação ou recomendação, e lembrando que alerto a todo instante para assegurar seu dinheiro através do FGC. Vamos lá: as instituições pesquisadas foram a Omni Financeira, a Fibra, o Banco Intermedium, o Banco Original, a Dacasa Financeira e o Banco Barigui, mas poderia ter expandido esta pesquisa significativamente. Vou deixar claro mais uma vez: se for investir em alguma dessas, estude primeiro a situação financeira da instituição e tente limitar-se ao valor garantido pelo FGC (até R$250.000,00 por CPF e por instituição), lembrando que você pode garantir também a rentabilidade do seu dinheiro desde que o montante inicial somado aos rendimentos não ultrapasse os R$250.000,00. Eu, particularmente – minha estratégia pessoal, não é necessariamente uma recomendação para que faça o mesmo –, calculo a rentabilidade esperada e invisto apenas um montante que, ao final do período, somado aos rendimentos, não ultrapasse o limite estabelecido pelo FGC. Limitar ao FGC confere segurança ao seu dinheiro similar à que a Caderneta de Poupança oferece, com rentabilidades bem melhores.

A segunda questão colocada é como ter acesso a esses investimentos. Você pode procurar diretamente cada instituição financeira, ou aproveitar do relacionamento de sua corretora de valores e buscar as taxas das instituições parceiras da corretora. Lembrando que dificilmente a corretora terá como oferecer taxas de todas as instituições. Não fugirei da responsabilidade de apontar aquelas com que tenho relacionamento, mas antes – novamente – alerto que não é uma indicação, que não tenho nenhum ganho com tal informação e que você deve estudar também a corretora – taxas, inclusive – se for procurar uma. Isto posto, as corretoras com que trabalho atualmente (e, sinceramente, estou satisfeito com o atendimento dado pelos seus profissionais) são a Ativa Corretora, a Gradual Investimentos e a Rico. Não são as únicas: temos dezenas de corretoras sérias atuando no Brasil. Sugiro que não limite sua pesquisa a elas.

A informação das instituições financeiras pesquisadas e das corretoras que me dão acesso a elas têm somente a intenção de demonstrar a nossos leitores que estamos trazendo dados reais, de instituições reais, e meios de acesso aos investimentos também reais. Em nenhum momento estamos recomendando quaisquer investimentos ou instituições aqui. Esta série – desde o início – tem somente a intenção de permitir que o leitor aprenda a comparar investimentos e taxas.

Pra finalizar, investir não é pesquisar uma instituição antes da alocação dos recursos, aplicar o dinheiro e simplesmente esperar o vencimento para resgatar. Investir exige acompanhamento para o caso de mudança dos ventos as velas serem ajustadas.

Até a próxima.

Autor

Daniel Meinberg
Autor do livro “O Melhor Investimento pra Você – Princípios de Educação Financeira”, editora AR, 2015, que trata de forma clara para o leigo sobre diversos produtos focados em investimentos. Ministrou palestras sobre educação financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *