Crise para 10 anos

Crise para 10 anos

Inspirado pelo post da Lívia, que nos incentiva a falar da crise com as nossas crianças, concedi nesta semana entrevista a Ana Clara Cotta, inteligente jovenzinha de 10 anos, aluna da 5ª. série do Colégio Santo Antônio, sobre a crise econômica que vivemos. Como achei as perguntas delas bem interessantes (Parabéns, Clarinha!), resolvi compartilhar aqui no Blog para (quem sabe?) incentivar ainda mais pais e professores. Bom proveito!

.

1 – O que é a Economia de um País?

A economia de um país é o conjunto de tudo que é produzido nele. Veja você, Clarinha, quando compra um picolé na frente da escola, ou um par de sapatos, quando vai ao cinema. Isso vale para todos nós, pense nos seus pais, quando pagam a sua escola, compram seus livros, abastecem o carro ou constroem e vendem apartamentos, eles estão consumindo ou produzindo bens (que na verdade é uma palavra bonita que os adultos usam pra “coisas”), entende?!

A soma disto tudo é a Economia.

.

2 – O que são fatores macroeconômicos?

O microscópio, que você já deve ter usado para fazer um experimento de ciências, é para ver coisas pequeníssimas, né?! Então, micro, que quer dizer pequeno e macro é o contrário de micro, quer dizer grande.

Em economia, Macro é tudo que afeta muita gente, ou quase toda a população.

A taxa de juros, que é o preço do dinheiro;a inflação, que é a medida do aumento de todos os preços;ou a cotação do dólar, que é o dinheiro que se usa nos Estados Unidos e que o mundo inteiro aceita; todos são fatores macroeconômicos. Ou seja, qualquer variação neles tem efeito nas vidas de praticamente toda a população e por consequência em toda a economia. Exemplo: Se o dólar fica caro, menos crianças vão passar as férias na Disney, pois encarece a passagem de avião, os ingressos para entrar no parque, os hotéis e etc… Se menos gente compra passagens, entradas para parques ou paga diárias de hotéis, o que você acha, que a economia cresceu ou diminuiu? Diminuiu, não é mesmo?! Houve menos negócios. Menos coisas foram compradas ou consumidas. Percebe?!

.

3 – O que as pessoas querem dizer quando dizem que o Brasil está em crise na economia?

É justamente o exemplo que dei acima, onde as coisas estão encarecendo e as pessoas tem que gastar menos, senão o dinheiro acaba. O problema disto é que causa desemprego. No exemplo que te dei, imagine os pilotos e aeromoças. Provavelmente uma parte deles será demitida, pois os passageiros sumiram (antes viajavam, agora não mais) e perder o emprego é muito difícil para uma pessoa e para a família dela. Já pensou uma criança filha de um piloto e uma aeromoça que perdem o emprego ao mesmo tempo?

.

4 – Porque o Brasil está nesta crise?

Porque os brasileiros gastaram demais e gastaram mal no passado, especialmente o governo. Pense na educação física da sua escola, quando você tem que fazer uma corrida longa. Se você sair correndo rápido demais no início, provavelmente não conseguirá chegar ao fim, não é mesmo?! Então, grande parte dos brasileiros, incluindo o governo, gastou demais ou correu rápido demais nos últimos anos e agora está tendo que pagar o preço disto. É como aquela parada para respirar na corrida, pra se recompor do ritmo muito acelerado do início. Ela não dura a vida inteira e, de certa forma, ela pode ser até regeneradora, mas na hora que você está lá com falta de ar e dores porque exagerou não é nada agradável, não é?! Então, esta é a crise!

.

5 – Como a situação pode afetar o Brasileiro?

Acho que respondi isto com o exemplo que dei na pergunta 3.

.

6 – Como a população pode conviver com ela?

Se ajustando. Você verá que a vida é cheia de novas situações que requerem de nós ajustes. Quando você mudou de escola, não teve que se ajustar? Novos professores, novos colegas, etc.. Com a crise é a mesma coisa. Temos que evitar gastos desnecessários, nos esforçarmos um pouco mais para mantermos nossos empregos, planejarmos direitinho todas as contas. É que diminui o espaço para erro, sabe? É como se o seu papai estivesse bem bravo. Atenta, naquele momento, você passa a ter mais disciplina, pois sabe que qualquer deslize da sua parte vai dar um problemão, aquela bronca ou aquele castigo, não é isso?

.

7 – Como crianças de 9 a 12 anos podem ajudar o Brasil?

Já falei que a vida é cheia de ajustes, isso vale também para as decisões. Todo dia temos que tomar algumas decisões, algumas delas com grandes impactos para nossas vidas e os adultos tomam muitas decisões erradas, me acredite. Assim, estudando bastante, você aprenderá bastante e poderá ajudar seus pais a tomar melhores decisões, inclusive aquelas relacionadas a dinheiro, ou como os adultos chamam, financeiras. Imagino que você tenha educação financeira na sua escola. Conheço algumas crianças que ajudam os pais a não desperdiçar dinheiro. Isto já é uma grande ajuda. É claro que depois você levará isto para a sua própria vida, quando adulta. O país é tão melhor quanto melhores forem as decisões tomadas por cada um de seus habitantes.

.

8 – Qual é o papel do economista para o país nesta situação?

O que um economista faz para a economia é como o que um médico faz para a saúde. Se você tá com um problema de saúde – doentinha – vai a um médico, ele faz uns exames e te receita um tratamento. Se a economia tá doente, ou em crise que é como chamamos, nós economistas também fazemos exames. Pegamos um montão de dados, usamos um bocado de matemática para analisar todos os números e fazemos um diagnóstico – como o médico. O problema é uma infecção no ouvido ou, o problema é um desequilíbrio nos gastos do governo – ele gasta mais do que ganha. No caso do médico, vai um antibiótico para curar a infecção; e no do economista vai uma revisão do orçamento do governo (orçamento é outra palavra chique que os adultos usam para se referir ao conjunto de ganhos e gastos – ahhh… esses adultos!).

.

9 – Como o Banco Central atua diante disto?

Você se lembra da história das decisões? Então, cada pessoa toma decisões que afetam diretamente sua vida e o Banco Central toma decisões grandes, que afetam a vida de todos. Lembra-se dos fatores macroeconômicos? Pois é, o Banco Central toma decisões que mexem com estes fatores, que por sua vez mexem com a vida de todos. Um exemplo é quando o Banco Central aumenta a taxa de juros, mais pessoas se sentem incentivadas a aplicar o dinheiro, porque ele passa a render mais.Com isso, sobra menos dinheiro pra consumir. Com menos gente consumindo, o dono do supermercado, por exemplo, não consegue aumentar tanto o preço dos produtos (às vezes até tem que reduzir – fazer uma promoção). Se todos ou grande parte dos donos de supermercados reduzem seus preços, isso faz cair a inflação, o que geralmente é bom pra toda a população, pois com a mesma quantidade de dinheiro, se pode comprar mais bens (“coisas”).

Autor

Frederico Torres
Profissional do mercado financeiro há 20 anos e interessado em como fazer o $$$ parte de nossa vida de forma mais saudável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *