Um convite: vamos mudar e marcar?

Um convite: vamos mudar e marcar?

Com base na leitura de um texto muito interessante com que tive contato uns cinco anos atrás, do autor Airton Luiz Mendonça, inicio a coluna de hoje com um convite especial a você querido(a) leitor(a):

Vamos mudar e marcar?

Explico. O ritmo de vida dos dias atuais nos leva constantemente a vivenciar uma rotina que encurta nossas horas, nossos dias, nossos meses, nossos anos de vida! E, de repente, já é Natal, já é Carnaval, o tempo passou e não percebemos. Isso também ocorre com você?

A proposta de hoje é uma reflexão buscando proporcionar estratégias para “fugir” deste ritmo acelerado de forma simples e prática, tendo também como aliado o nosso planejamento financeiro.

O texto que li relata que o cérebro humano mede o tempo pela observação dos movimentos.

Se  ficarmos dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, sem portas ou janelas, sem relógio, começamos a perder a noção do tempo. O nosso cerébro é altamente seletivo e otimizado. Segundo o autor “Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho. Por isso, a maior parte dos pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e, portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muita energia e atenção para compreender o que está acontecendo.É quando você se sente mais vivo. Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai colocando suas reações no modo automático e ”apagando“ as experiências duplicadas”. Dessa forma, como não tem espaço para armazenar TUDO o que vivemos, ele faz uma seleção natural daquilo que vivenciou ao longo do dia. Depois que você aprendeu algo e isso passou a ser rotina, o evento perde valor temporal. Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida.

Um exemplo simples de fácil compreensão:

– Você consegue recordar o que almoçou há exatamente oito dias? Conseguiu ou foi uma tarefa difícil?

Um nova pergunta:

– Você consegue recordar de um almoço especial que tenha feito em sua última viagem de férias? Foi mais fácil?

Não é algo que possamos generalizar, mas na maioria das vezes é mais fácil recordar de algo que vivenciamos fora da nossa rotina. Algo que mudou esta rotina e marcou… Ou seja, o nosso cérebro não liga o “piloto automático” nestas situações e precisa ser exigido de outra forma para viver aquilo, assim a experiência fica guardada na memória.

Nosso convite de hoje é para iniciar o final de semana dentro desta perspectiva… Vivenciar coisas diferentes, simples, que possibilitem “quebrar” a rotina dentro do próprio planejamento financeiro. A rotina é essencial para a vida, facilita e otimiza muitas coisas, mas muitas vezes a rotina ao longo da vida acelera nosso tempo e esquecemos muito do que vivemos.

Para ajudá-lo, listamos algumas sugestões de atividades e lazer econômicas que podem ser feitas em família proporcionando momentos diferentes do que estamos habituados sem sentir tanto no nosso bolso.

Conheça parques em nossa cidade:

Conheça alguns dos museus da nossa cidade:

BH grátis, nesta página algumas programções gratuitas:

Eventos com entrada franca:

Circuito Gastronômico:

Programação Comida di Buteco:

Programação Botecar 2015

Para quem tiver interesse em ler o texto que inspirou este poste, basta seguir este link.

Desejamos um ótimo final de semana junto aos seus!

Autor

Lívia Senna
Lívia Senna é mestre em Gestão e Administração Educacional pela Universidade de Coimbra, em Portugal, e pedagoga graduada pela UFMG. Atua na área de Educação Básica e Ensino Fundamental há 12 anos. Educadora também na área de graduação, concentra seus estudos e pesquisas na área de Educação Financeira para Educação Infantil e Formação de Professores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *