Microempreendedor Individual: o que você deveria saber sobre crédito

Microempreendedor Individual: o que você deveria saber sobre crédito

Esta semana ministramos uma palestra, a convite do Sebrae-MG, na Semana do Micro Empreendedor Individual (MEI). O MEI é aquele indivíduo que possui um pequeno negócio, mas bem pequenininho mesmo: é preciso faturar até R$ 60 mil anuais (ou R$ 5 mil mensais) para se enquadrar nessa categoria.

Nossa apresentação abordou a necessidade de controle das finanças do negócio, tão importante quanto a necessidade de termos nas mãos as rédeas das nossas finanças pessoais. O orçamento pessoal é para as finanças pessoais o que o fluxo de caixa é para os MEIs. É o primeiro passo para entender as finanças do negócio, extremamente necessário para que se saiba de onde vem e pra onde vai o dinheiro da empresa. Isso ajuda, também, a separar as finanças pessoais das finanças do negócio. Uma solução simples que ajuda nisso é ter duas contas correntes: uma para a pessoa física e a outra para a jurídica. Precisa pagar a luz da sua casa? Pague na conta pessoa física. Tá na hora de pagar o fornecedor de salsicha do seu carrinho de cachorro-quente? Use a conta jurídica. Essa separação é extremamente importante para evitar confusões e tornar mais clara a movimentação do dinheiro nas (e entre as) duas “pessoas”.

Os critérios que os bancos adotam na hora de emprestar dinheiro foram também abordados na palestra. Para este público, três dos cinco “C” do crédito são de extrema importância: a capacidade, o caráter e a garantia (collateral, em inglês).

O primeiro ponto importante na análise de crédito é: a prestação não vai comprometer seriamente sua renda? Você dá conta de pagar sua dívida? Refazendo a pergunta para aqueles que antecipam recebíveis: a antecipação do recebimento de suas vendas não vai comprometer o seu fluxo de caixa no futuro, com a redução nos recebimentos? Se você estiver vendendo o almoço pra comprar a janta, cuidado!

Outro ponto: você paga suas contas pontualmente? É honesto nos seus negócios? Atrasa um ou dois dias o pagamento da fatura do cartão de crédito porque está esperando um recebimento na empresa? Tem restrições cadastrais? Tudo isso se reflete no caráter, resumido numa pergunta só: existe a intenção de pagar a dívida? Outras coisas também contam neste quesito, como o tempo de existência da empresa, já que a taxa de mortalidade (e também a de “ressureição” de empresas, com outros nomes) no Brasil é bem alta; então, microempresa que dura mais de dois anos não deixa de ser um bom sinal de honestidade (e de resistência!).

Por fim, a disposição do banco pra te emprestar depende do risco que ele corre. Logo, se você oferecer garantias, reduz o risco e consequentemente aumenta a chance de ele te emprestar alguma grana. Além dos recebíveis de cartão de crédito – garantias mais comuns oferecidas pelos MEIs –, imóveis e veículos podem ser usados como garantias, mas com bastante cuidado: por um lado, essa garantia pode reduzir os juros cobrados, mas por outro, você comprometerá um bem que já faz parte do seu patrimônio em um novo empréstimo. Se a sua capacidade de pagamento desse empréstimo for duvidosa, pense e repense várias vezes essa alternativa, pois o benefício do custo financeiro reduzido pode acabar num piscar de olhos se você não pagar e perder seu patrimônio.

Por fim, falamos um pouco sobre formalização, tempo de existência da empresa e como isso contribui para o quesito “caráter”. Tempo de relacionamento com o banco também é importante para que ele desenvolva a confiança em você. Um bom e duradouro relacionamento com o seu banco não quer dizer que você tenha que ficar preso a ele (já falamos aqui que o seu gerente não é seu amigo), não impede que você procure alternativas melhores para você no banco vizinho.

Você cuida do dinheiro do seu negócio tão bem como cuida dos seus clientes e dos seus produtos e serviços? Pense nisso.

CONFIRA ALGUMAS IMAGENS DA PALESTRA NO SEBRAE-MG:

MEI microempreendedor individual palestra SEBRAE - DANIEL LOUREIRO, ECONOMISTA DO BLOG EDUCANDO SEU BOLSO

IMG_6180

IMG_6189

IMG_6192

IMG_6195

Autor

Daniel Loureiro
* Daniel Loureiro é mestre em Finanças pela Universidade Federal de Minas Gerais, atua no mercado financeiro há 15 anos, com experiência tanto vendendo produtos na linha de frente quanto na área de controles e supervisão, e também tem vivência no meio acadêmico. Neste espaço, vai demonstrar que aprender a lidar com dinheiro pode ser tão prazeroso quanto uma boa corrida, esporte do qual é adepto.

5 comments

  • Bom dia.
    Venho trabalhando a algum tempo porém sem registro, acabo de me formalizar e tenho em vista um imóvel para ampliar meu negócio, para seguir nesse caminho seria preciso conseguir um financiamento para aquisição de equipamentos para essa loja e um carro para transporte porém somando tudo que será preciso o valor que preciso não deve passar dos 15 mil. (já que a loja seria alugada)
    Porém venho trabalhando informalmente até o momento. Gostaria de saber se existe alguma possibilidade de que eu consiga tais financiamentos sem as garantias de tempo de empresa e sem um relacionamento bancário prévio.
    Desde já grato.
    RICARDO

    Responder
    • Frederico Torres

      Boa tarde Ricardo e obrigado pelo contato.

      Em primeiro lugar, parabéns pela energia e coragem em buscar a ampliação. As crises muitas vezes oferecem boas oportunidades, espero que este seja o seu caso.

      Quanto à sua dúvida, a informalidade não costuma ser problema, tendo em vista que é muitíssimo comum no Brasil e as instituições financeiras já arrumaram um jeito de lidar com ela. O que os bancos geralmente fazem é levar em conta qualquer sinal de movimentação visando estimar o “seu tamanho”. Um destes sinais, você mesmo citou, seria o relacionamento bancário prévio, o que permitiria aos bancos saber que você recebe em média X por mês através da conta bancária.

      Acho que por mais que você tenha um pouco mais de trabalho, pode acabar conseguindo crédito sim. A 1a opção que me veio a cabeça e que recomendo que você explore é o programa FazCrescer da CEF, veja mais em http://www.caixacrescer.com.br/Produtos/GiroCaixa

      Grande abraço e obrigado mais uma vez pela confiança.

      Frederico

      Responder
    • Daniel Loureiro

      Prezada Irailda,
      Obrigado pelo contato. Pelo visto, sua demanda é por uma orientação geral quanto à abertura de um negócio. Bom, nesse caso, recomendo que entre em contato com o Sebrae, que tem muito a oferecer, em diversos assuntos e áreas, para os micro e pequenos empreendedores. Tenho um contato lá no Sebrae de BH, a Jennifer, com quem conversei agorinha. Ela orientou que você ligasse para o telefone do Sebrae, que é 0800 570 0800. Se depois desse contato, ainda restar uma dúvida, ela se colocou à disposição. O telefone dela é 3379-9585. Por fim, ela me alertou para uma oficina do Sebrae que acontecerá amanhã, aqui em BH, chamada “Como elaborar um planejamento para abertura de empresas”. Tudo a ver com você, não? O evento acontecerá na Av. Barbacena, 288, Barro Preto, de 13:30 às 17:30. O custo é de R$20,00.
      Se tiver alguma dúvida específica sobre finanças pessoais ou finanças do seu negócio, volte a falar com a gente.
      Boa sorte no seu novo negócio, espero tê-la ajudado.
      Um abraço,
      Daniel

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *