Ônus e bônus de se ter um automóvel

Ônus e bônus de se ter um automóvel

“Mas o tudo que se tem não representa nada
Tá na cara que o jovem tem seu automóvel”
(Luiz Melodia, “Congênito”)

 

Dizem que brasileiro é apaixonado por carro. Eu, definitivamente, não sou. Mas uso muito meu carro. E, portanto, gasto bastante dinheiro com ele. Disso não há como escapar, como já dissemos aqui no blog. Manter um carro custa caro e, para quem vive e trabalha em centros urbanos, nos dias de hoje parece ser inevitável.

Eu conheço pessoas que não têm carro, por opção. Tenho um colega de trabalho que abriu mão há alguns anos. Locomove-se por Belo Horizonte de ônibus ou táxi. Ele mora longe, gasta quantidade razoável de tempo ou dinheiro para chegar. Mas foi uma opção dele, tomou birra de dirigir.

Tenho outro colega que decidiu ter apenas um carro na família. Ele mora perto do trabalho, locomove-se a pé e usa carro só aos finais de semana. Outros colegas moram longe e vêm de ônibus, a exemplo do que narrou aqui o amigo Daniel Loureiro.

Se não há como escapar dos custos do carro, pelo menos é possível e desejável minimizá-los. Para isso precisamos saber quais são os principais. Vamos lá:

  • COMBUSTÍVEL: Geralmente é o primeiro item a ser lembrado, porque costuma ser o mais caro. É importante medir frequentemente o consumo do carro. Se for flex, faça o cálculo para os dois combustíveis. Normalmente o álcool custa cerca de 70% do preço da gasolina. Se o rendimento for mais de 70%, vale a pena usar álcool. Se, em qualquer caso, o consumo estiver muito alto, convém consultar um mecânico.
  • IPVA: Imposto caro e inevitável. Então, pelo menos faça as contas se compensa pagar antecipado, como já ensinamos aqui.
  • SEGURO: Recomendo fortemente que você não ande sem seguro total. Quando for trocar de carro, pesquise o valor do seguro. Alguns modelos mais baratos podem ter seguro mais caro, por serem mais visados para roubo ou terem peças mais caras.
  • MANUTENÇÃO: Se seu carro já tem alguns anos de uso, cuide bem da saúde dele. Procure criar uma relação de confiança com uma ou algumas oficinas. Faça manutenção preventiva, principalmente em itens que, se estragarem, vão te deixar na mão ou te custar uma fortuna. Além disso, converse com seu mecânico sobre quais marcas e modelos têm manutenção mais cara ou complicada. Leve isso em conta na hora de trocar de carro.

Na próxima semana, vou trazer aqui  neste espaço um exemplo prático de levantamento dos custos de um automóvel, detalhado, passando por cada um dos itens acima.

E os bônus de se ter carro? Em geral, a praticidade e o conforto. Quando eu dava aula, não podia abrir mão do carro, porque tinha pouco tempo entre um emprego e outro. Quem precisa buscar criança no colégio geralmente sente que precisa do carro. Para quem mora em locais de difícil acesso – condomínios de casas, por exemplo –, o carro é muito útil.

Pode ser que, na maioria das situações anteriores, se a pessoa botar na ponta do lápis, vai ver que usar táxi, ônibus, van e sola de sapato acaba saindo mais barato que ter carro. Mas aí entram o conforto, a comodidade, a segurança, uma porção de coisas que tornam cada situação muito particular.

Meu convite ao leitor é que avalie se realmente precisa de carro, se sua família precisa de mais de um e se está usando o veículo da forma mais racional. Vale muito a pena a reflexão, porque pode significar uma bela economia.

Autor

Ewerton Veloso
Ewerton Veloso é bacharel e mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Trabalha há mais de 10 anos na área de monitoramento do Sistema Financeiro Nacional e é professor de Administração. Neste espaço, pretende convidar o leitor à organização das suas finanças e à reflexão quanto ao seu comportamento como consumidor e investidor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *