Como se defender da escalada de preços?

Como se defender da escalada de preços?

O mês de março começou e verificam-se aumentos substanciais de preços de itens importantes para o dia-a-dia, como energia e combustíveis. Você sabe como evitar que esses aumentos reduzam seu poder de compra?

Conforme mencionado anteriormente, em 1º de março foram reajustados os valores das bandeiras tarifárias de energia elétrica. Mas não foi só isso! Em 28 de fevereiro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) autorizou aumento médio extraordinário de 23,4%, o qual começou a vigorar a partir do dia 2 de março.

E há expectativa de mais 10% de aumento do preço da energia ao longo do ano! Os consumidores residenciais mineiros tiveram aumento de 21,4%, o que somado ao reajuste das bandeiras tarifárias, representa elevação de 25,8% para um consumidor de 100 Kwh. Além do reajuste da energia, houve também elevação dos impostos incidentes sobre a gasolina, o que, em Belo Horizonte, levou o litro a mais de R$ 3,68, com previsão de novo aumento no mês de maio.

Diante da importância desses dois itens no orçamento das famílias, é importante desenvolver  alternativas para que o impacto seja o menor possível e não reduza a qualidade de vida das pessoas. Para esse fim, eis algumas estratégias para reduzir o consumo de combustível:

  • Ar condicionado – Estudo de revista especializada revela que o consumo de combustível é 5,7% superior quando o ar está ligado. Considerando uma família que roda 20.000 Km por ano e gasolina a R$ 3,68, paga-se R$ 280,26 a mais de combustível por ano.
  • Rack para bicicletas – Ao alterar a aerodinâmica do veículo, esse utensílio aumenta o consumo em 4,9%!
  • Pneus – Abaixo da pressão ideal, o consumo pode subir 3,5%, sem contar a fadiga desnecessária do sistema de suspensão.
  • Carga inútil – Quem leva itens desnecessários tende a gastar 2,8% mais.

Para reduzir o consumo de energia, sugere-se:

  • Luz natural – Deixe cortinas, persianas e janelas abertas. A utilização de cores claras nas paredes favorece a economia.
  • Iluminação artificial – Dê preferência a lâmpadas de led e fluorescentes em vez de incandescentes. Duas lâmpadas fluorescentes de 20 watts iluminam mais que uma de 100 watts.
  • Aparelhos em stand-by – aparelhos desligados, mas conectados à tomada, continuam consumindo energia e podem representar 12% do consumo de energia de uma casa!
  • Equipamentos elétricos – atenção a chuveiros, geladeiras abertas, ferro de passar, máquina de lavar roupa e elevadores.

Esses aumentos podem constituir excelente oportunidade para aumento da eficiência no consumo. Lembrem-se do pensamento do filósofo francês Jean-Paul Sartre: “A questão não é o que fazem conosco, mas sim o que fazemos com o que fazem conosco”.

Autor

João Luís Resende
João Luís Resende é mestre em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais e atua na área econômica há 13 anos, com experiência na indústria bancária, energética e financeira. Neste espaço, vai apresentar estratégias de uso eficiente do dinheiro para satisfazer necessidades e desejos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *