Banner Cielo 728x90
Carnaval sem viagem: divirta-se sem gastar muito!

Carnaval sem viagem: divirta-se sem gastar muito!

Depois de muito refletir e colocar as contas na ponta do lápis, concluí que este ano, para mim, o melhor será não sair de Belo Horizonte, nossa “Calorizonte” – quase uma cidade praiana sem o mar, úmida, muito quente e às vezes com uma chuvinha ao final do dia. Se você tinha planos de  aproveitar os dias de folga para sair da cidade, mas também decidiu ficar por aqui mesmo depois de avaliar o quanto custa viajar nesta época do ano – lembra que nós avaliamos alguns pontos importantes, como se é mais econômico optar por carro ou avião e se é melhor comprar um pacote ou montar a própria viagem? –, não se preocupe porque, para os belo-horizontinos, é possível carnavalizar sem gastar muito.

Há não tanto tempo, a capital mineira se esvaziava nos dias de folia momesca. O ditado popular costumava dizer que São Paulo era o túmulo do samba, mas Belo Horizonte não ficou assim tão atrás durante algumas décadas. A partir de 2009, porém, blocos de rua começaram a surgir espontaneamente, resgatando a tradição da festa de rua e, consequentemente, atraindo a atenção dos foliões. Em muito pouco tempo, o carnaval belo-horizontino renasceu e cresceu de uma forma inesperada. Só no ano passado, segundo a Belotur, 1 milhão de pessoas e este ano a expectativa é que a cidade tenha uma festa com 1,5 milhão de foliões nas ruas. Aliás, o pré-carnaval por aqui está quente – diversos blocos estão desfilando desde o fim de janeiro e palcos com shows já começam a funcionar nas regionais. E o melhor: toda essa programação, além de muito divertida, é gratuita.

Em 2012, tive a oportunidade de estar em Belo Horizonte no carnaval e adorei! Tem coisa melhor do que pular carnaval com amigos, por locais que você conhece e fazer o “pré” em casa? Quando se viaja, por mais divertido que também seja, você, depois de um dia inteiro de folia, tem que ir para uma casa alugada, compartilhar banheiro, cama desconfortável ou ficar com a impessoalidade de um hotel. Agora, o belo-horizontino tem a opção de foliar bastante e depois ir para a própria casa, tomar o seu banho no seu exclusivo banheiro e, o melhor de tudo, dormir na própria cama! Já pensou o quanto isso significa de economia em hospedagem, alimentação, consumo de bebidas em bares e muito mais? Me parece uma grande e valiosa economia…

Se você está apertado de grana até para sair na cidade, tente fazer uma planilha de quanto pode gastar por dia. Alguns pontos importantes a considerar:

  • Transporte – Vai e volta para a folia como: de táxi, de ônibus, de carona…? Se for de carro, vai ter que pagar estacionamento ou rotativo? Ah, mas muito importante lembrar de não dirigir se beber, para não correr o risco de se acidentar e/ou levar uma multa para casa.
  • Bebidas – Como a festa é de rua, você pode lançar mão de uma caixinha de isopor junto com os amigos e comprar o que for beber num supermercado, o que sai muito mais em conta do que comprar dos ambulantes.
  • Alimentação  – Como estamos em pleno verão, considere levar na bolsa lanches simples e leves, que você pode preparar em casa ou comprar também no supermercado. Essa tática, além de saudável, ainda poupa um bom dinheirinho.

Para você, leitor belo-horizontino, que está no mesmo barco que eu (ou seja, querendo, sim, carnavalizar, mas sem gastar muito), partilhamos uma interessante programação deste carnaval, que será com certeza uma opção econômica e divertidíssima. Vão ser nada menos que 200 blocos desfilando pelas ruas da cidade, nos mais diversos bairros – só os oficialmente listados pela Belotur são 164, além de shows nas regionais, e a programação você pode conferir aqui. Se quiser economizar mais ainda, é só escolher uma atração perto de casa. No mais, é só sair atrás do bloco e se divertir!

Nos vemos na rua!

_____________
* Por curiosidade, pesquisei e descobri que o nosso carnaval não tem origem brasileira. Foi um costume trazido pelos portugueses no século XVI e no Brasil as comemorações tiveram novos incrementos como o samba, o frevo, o maracatu e até mesmo o axé e o funk.  E, hoje somos conhecidos como o país do carnaval, sendo esta uma das principais atrações turísticas do nosso país e que movimenta milhões anualmente.
** Foto: detalhe do Bloco do Peixoto, que desfila no bairro Santa Efigênia, região leste de Belo Horizonte, por Élcio Paraíso/Bendita.

Autor

Lívia Senna
Lívia Senna é mestre em Gestão e Administração Educacional pela Universidade de Coimbra, em Portugal, e pedagoga graduada pela UFMG. Atua na área de Educação Básica e Ensino Fundamental há 12 anos. Educadora também na área de graduação, concentra seus estudos e pesquisas na área de Educação Financeira para Educação Infantil e Formação de Professores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *