Educação financeira e ambiental: as chaves para um futuro melhor

Educação financeira e ambiental: as chaves para um futuro melhor

Nunca tivemos temas tão presentes e importantes como estes dois, que possuem tanta coesão entre si. Como educadora infantil, o tema Educação Ambiental já é algo que trabalhamos anualmente. Inclusive, em 2014, fizemos uma campanha com o seguinte nome: “Campanha pelo Bem, venha fazer parte você também”. Trabalhamos em conjunto atitudes e cuidados com o meio-ambiente.

Em relação à Educação Financeira isso ainda é algo muito recente nas escolas. Ainda sem conceitos definidos e pouco material didático, as escolas têm poucos recursos para poder formar seus alunos sobre este tema. De acordo com o documento da ENEF, elaborado pelo Governo, a Educação Financeira tem como objetivo levar um conjunto amplo de orientações sobre atitudes adequadas no planejamento e uso dos recursos financeiros. Nesse sentido as escolas têm como contribuir de forma significativa ao educar os alunos financeiramente, pois eles, por sua vez, levariam esse conhecimento para suas famílias em um efeito multiplicador”.

Em comum, estas questões visam o bem da coletividade, cuidar e preservar para colher algo melhor no futuro. E como aliar temas tão importantes e atuais? Ensinar a usar conscientemente os recursos naturais que possuímos são aspectos com os quais todos se beneficiam. Ao adotar atitudes simples de preservação estamos beneficiando muito o nosso planeta e também o nosso financeiro. E como será o futuro deste planeta? Será que estamos preparados para ele? Isso dependerá de como cuidamos dele hoje. Além de nos reeducarmos, mais uma vez as nossas crianças serão peças importantes nesta questão. Elas têm a oportunidade de aprender comportamentos sustentáveis que começam a ser ensinados agora. Mas, mais que conhecer é preciso utilizar os conceitos aprendidos. Assim, vejamos algumas situações simples e práticas:

  • Reciclar pode reduzir despesas e possibilitar a preservação de recursos naturais.
  • Economizar energia e usar a água de forma consciente reflete em uma conta mais econômica ao final do mês.
  • Utilizar energias naturais: solares, eólicas dentre outras são opções mais econômicas e menos poluentes.
  • Reaproveitar materiais em geral possibilita economia e evita o desperdício.

A sinergia entre Educação Financeira e Educação Ambiental é forte, é atual e é real. Usar corretamente os recursos naturais que possuímos está diretamente relacionado ao nosso bolso e é uma vertente que só trará benefícios, pois a Educação Financeira, além de formar e orientar, também propicia uma base mais segura para o desenvolvimento do nosso país. É importante termos em mente que estes recursos (naturais e financeiros) são recursos finitos, limitados, portanto quanto maior nosso conhecimento sobre estes temas, mais beneficiados seremos hoje e no futuro.

Temos tratado periodicamente aqui no blog sobre a importância de conversar sobre dinheiro e consumo com as crianças e como esse assunto deve ser integrado às escolas. Duas experiências bem interessantes que vivemos podem ser conferidas aqui e aqui. E, se você quiser ler outros textos a respeito, clique aqui.

Agora o desafio é para você, leitor! Tem filhos? Caso sim, como a escola deles trata sobre esses assuntos? E em casa, como anda o papo sobre dinheiro, meio ambiente e consumo? Em caso de dúvidas, não se esqueça, estamos aqui.

Autor

Lívia Senna
Lívia Senna é mestre em Gestão e Administração Educacional pela Universidade de Coimbra, em Portugal, e pedagoga graduada pela UFMG. Atua na área de Educação Básica e Ensino Fundamental há 12 anos. Educadora também na área de graduação, concentra seus estudos e pesquisas na área de Educação Financeira para Educação Infantil e Formação de Professores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *