De pequenino é que se torce o pepino!

De pequenino é que se torce o pepino!

Pesquisa da SerasaConsumidor em parceria com o IBOPE Inteligência revela que jovens na faixa entre 16 e 24 anos lideram em inadimplência, com 35% do total com contas em atraso. O que pode e deve ser aprendido desse dado alarmante? 

O Indicador de Educação Financeira (IndEF) de 2014 aponta que os mais jovens são aqueles que possuem o menor nível de educação financeira e não surpreendentemente o maior percentual de inadimplência  e o menor percentual (32%) de indivíduos que se planejam para a aposentadoria.

O grupo dos mais novos é aquele que manifesta maior propensão a gastar por impulso (41%), o que mais admira (36%) quem possui bens como roupas caras e automóveis de luxo e o que mais compra (27%) produtos aprovados por amigos e parentes.

O que esse conjunto de informações nos permite concluir do comportamento dos jovens?

As faixas etárias inferiores são menos afeitas ao planejamento, mais necessitadas de identidade e pertencimento a um grupo e as mais suscetíveis aos apelos da mídia. Com isso, eles tendem a ostentar produtos que remetam a um padrão social mais elevado, o qual muitas vezes não é compatível com o orçamento real, o que leva inevitavelmente à inadimplência.

Essa deficiência advém de uma falta de aprendizado, desde cedo, sobre o valor do dinheiro. Educar uma criança é muito mais fácil do que um jovem consumista. Hábitos devem ser construídos desde a infância para ensinar aos pequenos que dinheiro e finanças devem ser respeitados e administrados.

As armadilhas de consumismo são inúmeras, porém cabe aos pais estabelecer limites e ensinar que qualquer compra envolve abdicação (lembre-se do custo de oportunidade), quer seja de uma parcela da mesada ou de um presente no futuro.

O exemplo dos pais e familiares é fundamental para que a criança se torne um jovem educado financeiramente!

A criança que vê os pais pagarem frequentemente contas em atraso, com juros e multa, acredita que isso é normal e não visualiza os danos que isso gera às finanças pessoais. Essa criança pode se tornar um adolescente que não percebe as consequências do desequilíbrio entre as receitas e despesas, entre os desejos e as possibilidades, e pode incorrer em situações desagradáveis.

Deve-se ensinar que o lado emocional não pode dominar o racional quando se trata de finanças. O dinheiro existe para que realizemos sonhos, no entanto, devemos gerenciá-lo! Ele precisa trabalhar a nosso favor e não contra!

* A propósito, se você se interessa por educação financeira para crianças, que tal conhecer as duas experiências que tivemos batendo um papo com alunos dos colégios Neusa Rocha e Santo Agostinho? Você pode ler sobre elas aqui e aqui. Lembrando que lugar de educação financeira também é na escola.

Autor

João Luís Resende
João Luís Resende é mestre em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais e atua na área econômica há 13 anos, com experiência na indústria bancária, energética e financeira. Neste espaço, vai apresentar estratégias de uso eficiente do dinheiro para satisfazer necessidades e desejos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *