Viver mais significa aposentar com menos?

Viver mais significa aposentar com menos?

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta segunda-feira, 1º de dezembro, o aumento na expectativa de vida do brasileiro, de 74,6 anos em 2012 para 74,9 em 2013. Em 2003 o valor registrado foi de 71,3 anos. Isso é um fato a se comemorar, mas o que isso significa para aqueles que ainda vão se aposentar?

A melhoria nas condições sanitárias, o avanço da medicina, dos remédios, a concessão de aposentadoria rural, o Estatuto do Idoso e outros eventos contribuíram para o aumento da sobrevida dos brasileiros, que chegam à terceira idade mais saudáveis e tendem a viver mais. Desta forma nossos cidadãos tendem a desfrutar dos benefícios previdenciários por mais tempo e por isso o Ministério da Previdência ajustou a fórmula de cálculo da aposentadoria, mais especificamente, o fator previdenciário, com o objetivo de reduzir o valor dos benefícios para que as contas da previdência não apresentem saldo negativo.

Traduzindo, os trabalhadores que pedirem aposentadoria por tempo de contribuição¹ à Previdência Social receberão um valor menor ou terão que trabalhar mais dias para receber o mesmo benefício.

Por exemplo, um trabalhador com 55 anos de idade e 35 anos de contribuição que solicitar a aposentadoria a partir de 1º de dezembro, terá que contribuir por mais 79 dias corridos para manter o mesmo valor de benefício se tivesse feito o requerimento no último sábado, 29 de novembro. Um segurado com 60 anos de idade e 35 de contribuição deverá contribuir por mais 94 dias para manter o valor da aposentadoria.

A tendência é que a longevidade do brasileiro continue a crescer e com isso devem acontecer novas reduções no valor das aposentadorias no futuro e a previdência social tende a ser sobrecarregada devido ao maior número de beneficiados e redução da parcela da população que contribui para a previdência em virtude da maior proporção de aposentados.

Como se precaver e garantir um benefício satisfatório que permita uma aposentadoria digna?

Há formas de complementar o benefício da previdência pública contratando planos de previdência privada, poupando e constituindo patrimônio que permita viver de renda.

Para que esses objetivos sejam alcançados é necessária a nossa velha conhecida disciplina orçamentária, planejamento e foco no longo prazo. Lembrem-se que a disciplina é fundamental para a chegada à “melhor idade”!


1. Aqueles que se aposentam por invalidez não serão afetados e os que se aposentam por idade, podem ser impactados potencialmente, caso o cálculo com o fator ainda seja superior ao benefício.

Autor

João Luís Resende
João Luís Resende é mestre em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais e atua na área econômica há 13 anos, com experiência na indústria bancária, energética e financeira. Neste espaço, vai apresentar estratégias de uso eficiente do dinheiro para satisfazer necessidades e desejos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *