Vale a pena antecipar o 13º salário?

Vale a pena antecipar o 13º salário?

Estamos chegando ao final de 2014 e os apelos consumistas das festas de fim de ano estão ao nosso redor, estimulando as compras de presentes, bens, viagens e pacotes turísticos para o natal e réveillon. Para aqueles que não se planejaram para os gastos dessa época, aparece a possibilidade de adiantar o 13º salário ou beneficio do INSS para custear os gastos. Será que vale a pena?

O primeiro passo para responder a pergunta é analisar a razão da demanda de crédito. Sabe-se que o dinheiro deve ser utilizado conscientemente e equilibradamente para a realização de nossos sonhos e desejos.

Por que não foi feito um planejamento prévio para a realização desse sonho? Por que esses gastos não figuraram nos orçamentos dos meses anteriores? É realmente necessário?  Não se pode aguardar? Considerando que o início do ano concentra uma série de despesas como matrícula da escola, IPVA, IPTU e outros, não seria aconselhável poupar o 13º para custear essas despesas?

Tem-se que buscar o equilíbrio e por isso o ideal é que a realização dos sonhos se dê com recursos poupados previamente e não com a contratação de empréstimos. Especialmente porque no caso apresentado os recursos tendem a financiar consumo, o qual não gerará retorno futuro, diferentemente de investimentos em educação e qualificação profissional.

O segundo passo para a resposta é saber o custo efetivo da contratação do empréstimo e conhecer alternativas possíveis. A antecipação do 13º salário consiste na troca de um fluxo financeiro que seria recebido no futuro por dinheiro hoje e como se sabe, isso tem um preço representado pela taxa de juros. A pesquisa nos maiores bancos revela taxas superiores a 3% ao mês, além do pagamento do imposto sobre operações financeiras (IOF). Uma pessoa que antecipou em 10 de outubro R$ 2 mil pagará em 10 de dezembro cerca de R$ 2.121,80, desconsiderando o IOF. A pergunta é: Não há nada mais barato que isso?

A pesquisa na nossa calculadora de comparações revela que a taxa do crédito consignado em folha de pagamento para dois meses parte de 1,54%, bem menor que a taxa da antecipação do 13º. Como a maioria das pessoas aptas a contratar adiantamento do 13º também se qualifica para crédito consignado, essa possibilidade deve ser considerada.

Caso seja realmente indispensável o endividamento para custear os gastos do fim de ano, deve-se sempre buscar o menor custo possível. Afinal de contas, ninguém gosta de rasgar dinheiro, não é?!

Autor

João Luís Resende
João Luís Resende é mestre em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais e atua na área econômica há 13 anos, com experiência na indústria bancária, energética e financeira. Neste espaço, vai apresentar estratégias de uso eficiente do dinheiro para satisfazer necessidades e desejos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *