Por que menos é mais? Parte II

Por que menos é mais? Parte II

post anterior tratou da importância dada ao nosso rico dinheirinho, que muitas vezes acaba gasto desnecessariamente no pagamento de tarifa de manutenção de conta quando o consumidor tem direito a conta isenta de tarifas. Dando continuidade ao consumo consciente dos produtos bancários, hoje queria convidar o leitor a refletir sobre como nosso dinheiro, fica armazenado no banco e o potencial que ele tem de realizar nossos desejos.

Geralmente, quando, se monta o orçamento para o mês seguinte, o ideal é listar todas as receitas previstas e os gastos programados e já separar o valor a ser poupado. Os gastos incluem escola das crianças, energia, conta de água, condomínio, curso de idiomas, academia, TV a cabo, supermercado, lazer e outras despesas. O dinheiro reservado para o pagamento dessas despesas geralmente fica na conta corrente e é retirado para o pagamento das contas ou é debitado eletronicamente pelo banco na data de vencimento da conta.

A pergunta que faço é: o que acontece com o seu dinheiro enquanto a despesa prevista ainda não foi paga?

Em muitos casos, esse dinheiro fica na conta corrente sem rendimento. Ou seja, o cliente abdica de aplicar o dinheiro em algum instrumento financeiro e acaba por deixar de ganhar juros. Com isso, terá menos dinheiro porque está desperdiçando mais!

Os bancos veem esse desperdício e tratam de engordar os lucros aplicando os recursos parados sem que os correntistas sequer saibam. A máxima “tempo é dinheiro” não poderia ser mais aplicável.

O nome dessa fonte de lucros é “floating” e na época de inflação alta o ganho era ainda mais significativo por causa da perda de poder de compra da moeda.

A boa notícia é que esse desperdício pode ser facilmente solucionado com uma simples conversa com seu gerente bancário. Muitos bancos possuem investimentos com resgate automático. Traduzindo: o correntista pode deixar o saldo de sua conta zerado e, quando houver um saque ou pagamento de conta em débito automático, não entrará no cheque especial porque o banco automaticamente resgatará o investimento e pagará a conta. Quando não houver essa necessidade, o investimento ficará guardado rendendo juros para permitir a realização de seus desejos no futuro.

Menos desperdício do seu dinheiro é mais realização de seus sonhos!

Autor

João Luís Resende
João Luís Resende é mestre em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais e atua na área econômica há 13 anos, com experiência na indústria bancária, energética e financeira. Neste espaço, vai apresentar estratégias de uso eficiente do dinheiro para satisfazer necessidades e desejos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *