Você é o que você gasta: 5 dicas para gastar melhor seu dinheiro (e ainda guardar para o futuro)

Você é o que você gasta: 5 dicas para gastar melhor seu dinheiro (e ainda guardar para o futuro)

Outro dia li um artigo de renomados pesquisadores que dizia que comer menos e se exercitar mais não é a melhor maneira de perder peso. Segundo a pesquisa, o que interessa mesmo é a qualidade do que se come.

Por que estou comentando sobre esse artigo? Porque acho que há uma semelhança com a nossa situação financeira. Se para o seu peso o que mais importa é a qualidade do que você come, para o seu bolso uma das coisas que mais interessa é a qualidade dos seus gastos.

Veja bem: de que adianta você se matar de trabalhar em mais de um emprego ou em horas extras para ganhar uma grana a mais, se no fim das contas você gasta mal? Compra o que não precisa, por impulso, modismo e sem pesquisar preços? Se descontrola financeiramente e entrega centenas de reais desnecessariamente em juros e custos financeiros? Pense bem: isso não é equivalente a correr 1 hora na esteira e depois se entupir de porcarias? Resumindo: Vamos comer bem e gastar bem, pessoal.

Para gastar bem seu dinheiro, vão aí 5 dicas:

  1. Poupe antes de qualquer coisa. Mesmo que sejam R$ 100 por mês. Sempre. Pague a você mesmo em primeiro lugar e construa uma reserva para emergências e para o futuro. Isso te dará mais tranquilidade para gastar o que sobra.
  2. Já poupou? Ótimo. Agora planeje seus gastos. Como assim? Priorize: moradia, serviços básicos, saúde, alimentação, educação e depois os supérfluos…
  3. É fundamental diferenciar “necessidade” de “desejo”. Exemplo: comer é uma necessidade, almoçar fora é um desejo. Ir trabalhar é uma necessidade (para a maioria), ir trabalhar de carro é um desejo. E por aí vai.
  4. Reconheça e fuja das armadilhas de marketing, que te pressionam para gastar um dinheiro que muitas vezes você não tem. Tá cheio delas por aí e inconscientemente acabamos caindo nessas arapucas. Veja alguns exemplos bem interessantes neste link.
  5. Finalmente, preste menos atenção na opinião dos outros. Provavelmente existirão aqueles que falarão: “Nossa, você viu?! Não saem mais pra balada como antes, o carro deles já tem ‘tantos’ anos”. Problemas deles! Quando você estiver com as suas contas em dia e uma boa poupança, e eles continuarem pendurados no cartão de crédito, aí eu quero ver…

Autor

Frederico Torres
Profissional do mercado financeiro há 20 anos e interessado em como fazer o $$$ parte de nossa vida de forma mais saudável.

2 comments

  • Muito bom gostei bastante, as vezes nos agimos por impulso e acabamos gastando mas do que deveríamos, normalmente eu e minha esposa temos 50% de nossa renda investida isto e algo que não da para mudar, agora com o que sobra nos gastamos 30% com despesas e o que sobra e gastado com coisas desnecessárias ou que não precisariam ser compradas naquele instante , neste últimos dois meses minha renda diminuiu aproximadamente 50% o que e algo expressante e eu acabei gastando mas do que deveria com coisas desnecessárias, agora eu estou endividado e sem dinheiro e gastei mas do que eu ganho

    Responder
    • Frederico Torres

      Que bom que gostou Thales. Vou me permitir voltar à Santíssima Trindade da boa Educação Financeira (que imagino você tenha lido aqui no Blog). Auto-conhecimento, planejamento e disciplina são fatores essenciais para te proporcionar tranquilidade no trato com o dinheiro.
      Obrigado pela sua participação.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *